Mercado fechará em 3 h 45 min
  • BOVESPA

    116.862,34
    +632,23 (+0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.738,55
    -308,03 (-0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,03
    +1,51 (+1,75%)
     
  • OURO

    1.717,50
    -13,00 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    20.049,97
    -9,96 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,84
    -4,57 (-1,00%)
     
  • S&P500

    3.756,08
    -34,85 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    30.112,97
    -203,35 (-0,67%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.439,75
    -201,00 (-1,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1436
    -0,0243 (-0,47%)
     

Acesso a vacinas de RNA mensageiro agrava diferenças na pandemia

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- A nova onda de casos de Covid-19 amplia uma das maiores injustiças da era da pandemia: a lacuna entre países que têm vacinas de RNA mensageiro e os que não têm.

A tecnologia de ponta, que estreou durante a pandemia, mostrou ser mais eficaz do que qualquer outra para evitar infecções e doenças graves causadas pelo coronavírus. No entanto, apenas algumas instalações nos Estados Unidos e na Europa Ocidental respondem por quase todo o suprimento mundial de imunizantes de RNAm, deixando muitos países em uma corrida desesperada para recuperar o atraso.

Países como Coreia do Sul, Indonésia e África do Sul buscam estabelecer a produção de RNAm e desenvolver outras colaborações no segmento, mas também percebem que podem levar anos para dominar a nova ciência, o que deixa seus países dependentes de vacinas menos potentes que poderiam expor a população a ondas repetidas de Covid e atrasar a reabertura das economias.

Na África do Sul, onde os imunizantes são tão escassos que apenas 5% da população foi vacinada, no mês passado o governo anunciou uma parceria com a Organização Mundial da Saúde e fabricantes de medicamentos locais em um plano ambicioso para transformar o país em um centro para as primeiras vacinas de RNAm “Made-in-Africa”.

Um elemento crítico faltava no plano: uma empresa com a tecnologia para produzir vacinas de RNAm. Para um acesso mais rápido, o polo sul-africano precisaria de um dos três desenvolvedores que já estão produzindo doses de RNAm para transferir know-how, mas até agora a Moderna, que tem sede em Cambridge, Massachusetts, não se comprometeu, tampouco a Pfizer, de Nova York, ou sua parceira alemã BioNTech.

“São empresas, sabemos que não é muito fácil tomar decisões”, disse Bartholomew Dicky Akanmori, conselheiro regional da OMS para regulamentação, qualidade e segurança de vacinas para a África. “Estão relutantes”, afirmou em entrevista.

Sem esse tipo de acesso, cientistas de países como a África do Sul precisariam aperfeiçoar o processo complicado de fabricar uma vacina de RNAm, que envolve etapas como a produção de nanopartículas de lipídios, os veículos usados em uma dose de RNAm para entregar o código genético que ajuda a desencadear a resposta imunológica.

Então teriam que desenvolver, testar e produzir em massa as vacinas, o que poderia levar anos e exigir recursos aos quais muitas nações, especialmente as mais pobres, não têm acesso. Com potencial para diversas aplicações, desde vacinas para combater outros vírus até drogas contra o câncer, essa falta de infraestrutura para a tecnologia RNAm pode colocá-los em desvantagem no setor farmacêutico por muitos anos.

Mas não são apenas as nações mais pobres que se preocupam com o acesso ao RNAm. Alcançar a produção doméstica de vacinas de RNAm tornou-se um problema de segurança nacional em alguns países, devido às falhas na cadeia de suprimentos, restrições de exportação e picos de demanda que afetaram a distribuição mais ampla de vacinas contra a Covid.

“As pessoas na Coreia perguntam ao governo: ‘Por que não temos nossas próprias vacinas?’”, disse Sun Woo Hong, CEO de uma nova subsidiária de vacinas da OliX Pharmaceuticals, sediada nos arredores de Seul. “Como coreano, ter a plataforma de desenvolvimento de uma vacina de RNAm na Coreia é muito importante.” A empresa fechou um acordo no mês passado para colaborar em uma vacina de RNAm com o conglomerado coreano Samyang Holdings e em produtos de RNAm para outras doenças com a GC Pharma.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.