Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    -0,01 (-0,02%)
     
  • OURO

    1.845,00
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    46.174,61
    -1.339,63 (-2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.279,15
    -79,41 (-5,84%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,87 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.200,24
    +115,77 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    13.364,00
    -23,00 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

Acesso de estudantes à internet aumenta para 88,1% em 2019, diz IBGE

Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil
·3 minuto de leitura

O percentual de estudantes de 10 anos ou mais de idade com acesso à internet subiu de 86,6%, em 2018, para 88,1% em 2019. Apesar disso, 4,3 milhões ainda não utilizavam o serviço e a maior parte era de alunos de escolas públicas (95,9%).

Ao todo eram 4,1 milhões de estudantes da rede pública de ensino sem o acesso à internet, enquanto na rede privada eram apenas 174 mil alunos sem conexão à rede mundial de computadores.

Os números estão na Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (Pnad) Contínua divulgada hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que investigou no último trimestre de 2019 o acesso à tecnologia da informação e comunicação (TIC).

A pesquisa analisou as informações do período entre 2016 e 2019, sobre o acesso à internet e à televisão, além da posse de celular.

Na avaliação do IBGE, a diferença de acesso entre os estudantes de escolas particulares (98,4%) para os do ensino público (83,7%) é ainda mais significativa entre as grandes regiões do país. Os percentuais de estudantes da rede pública que utilizaram o serviço ficaram em 68,4% no Norte e em 77% no Nordeste. Nas demais regiões, o percentual variou de 88,6% a 91,3%.

Na rede de ensino privada, segundo a pesquisa, o uso da internet ficou acima de 95% em todas as grandes regiões, sendo que, no Sul, Sudeste e Centro-Oeste, alcançou praticamente a totalidade dos estudantes.

Para a analista da pesquisa, Alessandra Scalioni Brito, esse resultado está relacionado à renda. Do total dos estudantes que não utilizaram a internet, em 26,1%, isso ocorria por considerar o serviço caro e 19,3%, em consequência do custo do equipamento eletrônico para navegar na rede. “Essas diferenças são ainda maiores entre os estudantes da rede pública e da rede privada, revelando um traço de desigualdade que ficou ainda mais evidente na pandemia, quando o ensino presencial foi suspenso e as famílias tiveram que se adaptar às aulas remotas”, destacou.

Celular

A pesquisa indicou ainda que, em 2019, o uso do celular para acessar a internet atingiu a 97,4%. o que representou um avanço, mas, ainda assim, o percentual dos alunos de escolas públicas que tinham o aparelho para uso pessoal era apenas 64,8%, sendo que nem todos eles tinham acesso à rede. Na rede privada, o uso era bem maior e alcançava 92,6%. A diferença era ainda maior no Norte do país, onde apenas 47,5% dos alunos do ensino público tinham um celular.

Entre os estudantes da rede pública sem telefone celular em 2019, 41,2% disseram que era pelo alto custo do aparelho. Outros 28,7% relataram não possuir aparelho porque usavam o de outra pessoa. Os motivos mais comuns para esta situação em estudantes da rede privada também foram estes dois argumentos, sendo que o uso de aparelho de outra pessoa tem peso maior (40,3%) que a questão de o aparelho telefônico ser caro (20%).

“Esses dados mostram que estudantes da rede pública tinham menos acesso a telefone próprio e a questão financeira tinha um peso maior. E como o celular é o principal meio de acesso à internet, num contexto de ensino remoto, provavelmente, esses estudantes terão mais dificuldades do que os da rede privada”, contou Alessandra.

A Pnad Contínua TIC para 2019 mostrou ainda que enquanto o uso do celular por estudantes para acessar à internet vem subindo ao longo dos anos, a utilização do microcomputador, no entanto, segue em ritmo oposto. No início da pesquisa, 70,6% dos estudantes usavam computador para navegar na internet, mas em 2019 eram 56%. Outro crescimento foi o do uso da televisão para navegar na internet, que subiu de 11,9% para 35,0%. O tablet era usado somente por 13,4% dos estudantes, a maioria da rede privada.