Mercado fechará em 3 h 38 min
  • BOVESPA

    118.230,46
    -1.415,94 (-1,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.269,07
    +143,36 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,92
    -0,39 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.865,70
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    31.826,16
    -1.675,94 (-5,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    633,37
    -46,54 (-6,84%)
     
  • S&P500

    3.856,79
    +4,94 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    31.231,90
    +43,52 (+0,14%)
     
  • FTSE

    6.718,77
    -21,62 (-0,32%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.366,00
    +71,75 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5267
    +0,1187 (+1,85%)
     

Ação do SUS é essencial para vacinação da população negra contra a Covid-19, diz médica

Alma Preta
·3 minuto de leitura
Cropped hand wearing a nitrile glove holding a Covid-19 vaccine vial and a syringe
Cropped hand wearing a nitrile glove holding a Covid-19 vaccine vial and a syringe

Texto: Roberta Camargo Edição: Nataly Simões

A logística para o armazenamento e a distribuição de insumos para a campanha de vacinação contra a Covid-19 ainda não tem data definida pelo Ministério da Saúde e é de responsabilidade do SUS (Sistema Único de Saúde). Para garantir os resultados positivos na estruturação da campanha, o governo de Jair Bolsonaro informa no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação que haverá investimento na capacitação de profissionais da saúde.

Diante de um cenário em que a população negra e periférica se mantém como mais vulnerável quando se trata da infecção e morte causada pela Covid-19, a médica e mestre em Patologia Humana pela Fiocruz, Zezé Menezes, afirma que o processo de vacinação não seria possível sem o intermédio do SUS e revela a importância da população negra no sistema de saúde.

"O sistema único é uma conquista do povo preto, da mobilização de ativistas, das mulheres nas periferias e de grupos de sanitaristas, que tem uma visão avançada. É um sistema que atende sem nenhum tipo de discriminação todos os cidadãos e cidadãs do país e isso é algo muito recente. A Covid-19 tem um marcador racial, a maioria das pessoas que morrem são pessoas negras e isso tem a ver com o acesso dessas pessoas aos serviços públicos", explica a médica.

No plano divulgado pelo governo federal, a indicação para o orçamento inicial é de R$ 1,9 bilhão. Os valores são distribuídos entre os laboratórios responsáveis: AstraZeneca/Fiocruz e Consórcio Covax Facility. Do valor citado, R$ 62 milhões já foram enviados para a compra de seringas e agulhas. O acesso ao dinheiro, assim como a classe social, também são fatores que podem afastar parcelas da população da imunização, considera Zezé.

"Isso traz uma assimetria muito grande quando falamos sobre vacinas e a rede privada. A cobertura vacinal no Brasil está se tornando mais sofisticada a cada ano e isso acontece por conta da pressão dos movimentos sociais", afirma a médica.

Diálogo sobre a imunização e movimento anti-vacina

"Tem uma camada de pessoas que estão sendo levadas a questionar a importância e a validade das vacinas", recorda Zezé. Segundo pesquisa do Instituto Datafolha, o percentual de brasileiros que não pretendem se vacinar têm crescido de forma alarmante nos últimos meses, passando de 9% em agosto para 22% em dezembro.

"A comunicação é tudo num momento como este. Precisa ficar bem claro e não está, a gente precisa muito focar no diálogo", alerta a infectologista Gladys Prado, do hospital Sírio Libanês. A falta de comunicação é um dos fatores que colabora com o crescimento e disseminação de notícias falsas, segundo a médica, assim como no fomento de movimentos anti vacinação.

Com influência vinda principalmente do governo federal, a mestre em Patologia, Zezé Menezes, questiona a responsabilidade do poder público quando se trata do crescimento de movimentos antivacina no Brasil, que se estabelece num contexto em que a falta de acesso à população é um problema ainda sem solução. "A população de classe média e rica tem acesso a imunizações que a população pobre não tem. O serviço privado tem várias vacinas importantes e que não estão no nosso calendário ainda", conclui.