Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,97
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.874,80
    -4,80 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    38.855,55
    +3.308,53 (+9,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    975,72
    +33,91 (+3,60%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.021,25
    +27,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1904
    -0,0022 (-0,04%)
     

Abrapa vê área e produção de algodão menores na Bahia; cita pressão de soja e milho

·2 minuto de leitura
Coolheita de algodão no distrito de Roda Velha (BA)

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de algodão 2020/21 da Bahia, um dos principais Estados produtores da pluma no Brasil, deve apresentar queda de 13% em volume e de 15% em área na comparação com a temporada anterior, disse nesta quarta-feira a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), citando uma pressão da melhor rentabilidade gerada pelos cultivos de soja e milho.

Segundo a entidade, a colheita de algodão na Bahia teve início no dia 28 de maio e deverá resultar na produção de 520.363 toneladas. A área de plantio foi estimada em 266.662 hectares nesta temporada.

"Esta redução é explicada pela maior rentabilidade relativa da soja e do milho, que garantem maior liquidez, com menor custo de produção, ainda que os preços da pluma... estejam num patamar considerado muito bom", disse a associação em nota.

Os contratos do algodão negociados na ICE para dezembro, terminaram esta quarta-feira cotados a 87,34 centavos de dólar por libra-peso, maior patamar desde o final de fevereiro, diante da boa demanda e de condições climáticas favoráveis em importantes regiões produtoras.

A Abrapa lembrou, porém, que no período de semeadura a cotação estava em nível bem inferior, a cerca de 60 centavos de dólar, o que deixava a soja e o milho em vantagem ainda maior.

Em comunicado, o presidente da Abrapa, Luiz Carlos Bergamaschi, minimizou a redução de área e produção da pluma na Bahia, afirmando que o cenário reflete a sustentabilidade e a maturidade da matriz produtiva local, que ele vê como "variada e balanceada em função do mercado".

"A Bahia faz apenas uma safra, o que torna a decisão de plantio ainda mais acurada", acrescentou Bergamaschi. Para 2021/22, ele projeta um crescimento de 5% na área de plantio.

O Estado lidera a produção de algodão no Matopiba --região compreendida por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Segundo a Abrapa, a safra 2020/21 do Matopiba deve atingir 587.067 toneladas, com plantio em 305.351 hectares.

(Por Gabriel Araujo)