Mercado abrirá em 9 h 8 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,54
    +0,15 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.878,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    13.233,40
    +16,11 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,86
    -10,83 (-3,97%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.431,09
    -277,71 (-1,12%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.234,75
    +102,00 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7393
    +0,0049 (+0,07%)
     

Abradee entrega proposta de reequilíbrio econômico das distribuidoras à Aneel

Gabriela Ruddy
·1 minuto de leitura

No momento, a Aneel conduz uma consulta pública sobre o assunto, conhecida como “CP 35” para discutir o reequilíbrio econômico-financeiro das distribuidoras por causa da pandemia A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) entregou à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manifestação em favor do equacionamento das diferenças de perda de mercado que impactaram a receita das distribuidoras, em meio à pandemia de covid-19. No momento, a Aneel conduz uma consulta pública sobre o assunto, conhecida como “CP 35” para discutir o reequilíbrio econômico-financeiro das distribuidoras por causa da pandemia, após a aprovação da “Conta Covid”, empréstimo bilionário destinado ao setor elétrico. A proposta atual da agência desagradou a importantes players do setor e foi criticada por executivos de grandes distribuidoras, recentemente. “A Abradee defende o direito fixado na concessão de que a metodologia adotada leve em conta as consequências da pandemia em função do que estabelecem os contratos assinados com o poder concedente: perda de mercado, inadimplência (receitas irrecuperáveis) e sobrecontratação involuntária. E não há problema se isso ocorrer ao longo dos próximos anos, de forma amena”, afirmou a associação, em nota. Nos últimos meses, a queda do consumo de energia causou problemas de sobrecontratação para as distribuidoras. Houve ainda aumento da inadimplência — índice chegou a 9,8% em abril, segundo dados do Ministério de Minas e Energia (MME). Para aliviar os impactos e dar liquidez ao setor, a Aneel e o MME aprovaram a “Conta Covid”, empréstimo de R$ 14,8 bilhões. A proposta recebeu adesão de 53 empresas, sendo 50 distribuidoras, que recebem os repasses desde o final de julho.