Mercado abrirá em 20 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,96
    -1,43 (-3,82%)
     
  • OURO

    1.877,50
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    13.149,23
    -14,17 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,86
    -12,83 (-4,70%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.585,36
    +2,56 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.206,50
    +73,75 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7123
    -0,0221 (-0,33%)
     

Abitrigo pede que Brasil não libere entrada de trigo transgênico da Argentina

·2 minutos de leitura
Colheita de trigo na Argentina
Colheita de trigo na Argentina

SÃO PAULO (Reuters) - Representantes da indústria de trigo do Brasil vão pedir ao governo que não libere a comercialização no país de uma variedade transgênica do cereal aprovada recentemente pela Argentina, informou a associação do setor Abitrigo nesta quarta-feira.

O movimento vem após uma sondagem mostrar que brasileiros são contrários ao uso de trigo geneticamente modificado (GM) e poderiam até suspender compras do produto argentino no caso de exportações do grão transgênico, disse a entidade em nota.

"Em pesquisa interna promovida pela Abitrigo junto aos moageiros brasileiros, 85% não foram favoráveis à utilização de trigo GM e 90% informaram estar dispostos a interromper suas compras de trigo argentino, caso se inicie produção comercial naquele país e sua exportação para o Brasil", afirmou a associação.

A Argentina é responsável pelo fornecimento de cerca de 60% do cereal que abastece o mercado brasileiro, sendo complementado pelo produto nacional (30%) e de outras origens (10%).

A associação setorial também ressaltou que pesquisas capitaneadas pela empresa estatal de pesquisa Embrapa e parceiros privados têm promovido avanços em qualidade e produtividade do trigo sem necessidade de tecnologia de modificação genética.

O uso de transgênicos ainda exigiria controles que gerariam custos para os processos de importação e teriam consequências sobre preços, acrescentou.

"Por esses motivos, a Abitrigo se manifestará contrariamente à comercialização tanto da farinha quanto do trigo transgênicos no curso da audiência pública convocada pela CTMBio, por solicitação da empresa argentina produtora de trigo transgênico", afirmou a associação, que disse que também pedirá veto da venda do produto a autoridades.

O governo argentino aprovou neste mês a variedade transgênica de trigo HB4, da empresa de biotecnologia Bioceres, mas destacou que a comercialização do produto ficaria sujeita à autorização para importações pelo Brasil, conforme publicação no Diário Oficial do país na semana passada.

A variedade do cereal HB4 desenvolvida pela Bioceres e pela francesa Florimond Desprez "confere tolerância à seca e tolerância ao herbicida glufosinato de amônio", segundo o governo argentino.

Mas a importação de trigo transgênico ainda não foi aprovada por nenhum país, o que deixaria agricultores argentinos com pouco incentivo para plantar a nova variedade.

(Por Luciano Costa)