Abear: combustível será principal debate com governo

Os custos com combustível serão o principal assunto na pauta de debates das companhias aéreas comerciais com o governo federal em 2013, informou o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, nesta quinta-feira, em São Paulo. Segundo ele, a Abear mantém conversas com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC) e espera que até o carnaval consiga se reunir com o Ministério da Fazenda para discutir medidas que atenuem o peso do querosene de aviação (QAV) na estrutura de custos das empresas. Hoje, o combustível responde por cerca de 40% do total de gastos.

As empresas aéreas têm duas demandas sobre o assunto para o governo federal. Uma é a mudança do modelo de tributação do QAV, que é produzido na sua grande maioria (cerca de 80%) no Brasil, mas é precificada como se o produto fosse importado, segundo dirigentes da Abear. A Agência também discute mudanças na periodicidade de reajuste do combustível. "Todo mês temos reajuste", disse Sanovicz. "Por esses motivos, o combustível da aviação segue como ponto principal na agenda de debates com o governo em 2013", informou.

"Da mesma forma que outros modais, a aviação comercial precisa de políticas próprias", disse o presidente da Abear. Para ressaltar a importância do setor, ele ressaltou progressos verificados nos últimos anos, como a popularização do modal aéreo. "Na última década, triplicamos o número de passagens aéreas vendidas, de 33 milhões em 2003 para mais de 90 milhões em 2012", afirmou. De acordo com ele, o alívio dos custos de combustível é fundamental para melhorar o resultado financeiro das empresas aéreas comerciais.

A respeito do desempenho das companhias em 2012, Sanovicz reconheceu que foi um ano de "prejuízos generalizados", mas afirmou esperar melhora no balanço das empresas em 2013. "No último bimestre do ano passado, sentimos uma situação mais positiva. Então, acredito em melhora em 2013", disse. O dirigente afirmou que "não haverá surpresas" quanto ao preço das passagens aéreas nesse ano, mas vê recuperação da margem de lucro das companhias nas rotas de alta demanda.

Segurança

O diretor de Segurança e Operações de Voo da Abear, Ronaldo Jenkins, minimizou os problemas observados com a aeronave 787 Dreamliner da Boeing. Segundo ele, é normal um novo modelo precisar de ajustes durante o período inicial de sua operação.

Por causa de problemas verificados nos aviões de várias companhias aéreas no mundo, a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) ordenou na quarta-feira (16) a suspensão de todos os voos da aeronave. A medida é uma resposta a casos de mau funcionamento da bateria. "A suspensão é positiva no sentido de que atesta a credibilidade do sistema", disse.

Carregando...