Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.195,16
    -2.526,54 (-5,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Abate de bovinos no Brasil recua mais de 10% no 4º tri; aves e suínos têm alta

·2 minuto de leitura
Rebanho bovino no Pará

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria brasileira de carne bovina abateu 7,25 milhões de cabeças de gado no quarto trimestre, queda de 10,3% em comparação ao mesmo período de 2019 e uma redução de 5,8% em relação ao trimestre anterior, com o país lidando com uma menor oferta de animais terminados em meio à forte demanda para exportação.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção somou 1,96 milhão de toneladas de carcaças bovinas, uma queda de 6,5% ante o quarto trimestre de 2019 e diminuição de 4,6% em relação ao período anterior.

Enquanto isso, os preços têm renovado recordes no mercado brasileiro, operando recentemente acima de 300 reais a arroba na média do Estado de São Paulo, com as cotações sendo influenciadas também pela forte demanda para exportação, especialmente da China..

No caso do abate de suínos, o país registrou 12,10 milhões de cabeças no quarto trimestre, representando um aumento de 1,6% no comparativo anual e queda de 4,7% em relação ao terceiro trimestre.

O peso acumulado das carcaças suínas registrou 1,08 milhão de toneladas, aumento de 1,7% em relação ao quarto trimestre de 2019 e queda de 7,8% em comparação com o trimestre anterior.

O abate de frangos, por sua vez, somou 1,55 bilhão de cabeças no quarto trimestre, aumento de 5,5% em relação ao mesmo período de 2019 e acréscimo de 2,5% ante o terceiro trimestre.

O peso acumulado das carcaças foi de 3,57 milhões de toneladas, alta de 5,2% em relação ao quarto trimestre de 2019 e de 2,5% frente ao trimestre imediatamente anterior.

Assim como a carne bovina, o indústria de aves e suínos também foi beneficiada por forte demanda externa.

(Por Roberto Samora)