Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.535,70
    -2.843,77 (-7,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

AB InBev estuda venda de marcas de cerveja alemãs: Fontes

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O CEO da Anheuser-Busch InBev, Michel Doukeris, estuda a venda de algumas marcas de cerveja alemãs que a empresa possui há décadas, em meio à estratégia da maior cervejaria do mundo para reduzir o peso de negócios menos lucrativos e também as dívidas.

Most Read from Bloomberg

A cervejaria avalia a venda de marcas como Franziskaner Weissbier, Hasseroeder e Spaten, e o portfólio pode valer cerca de 1 bilhão de euros (US$ 1,2 bilhão), disseram pessoas a par do assunto, que falaram sob anonimato.

Ao reduzir a presença no maior país produtor de cerveja da Europa, Doukeris, há três meses no cargo, enviaria um sinal de que a empresa acelera os esforços para redirecionar o negócio com a maior demanda por bebidas mais novas, como seltzers. Uma menor presença da fabricante da Budweiser no fragmentado mercado alemão de cerveja também ajudaria a diminuir as dívidas acumuladas em uma série de aquisições por seu antecessor, Carlos Brito, incluindo a compra da cervejaria britânica SABMiller em 2016 por mais de US$ 100 bilhões.

A AB InBev emprega mais de 2 mil pessoas na Alemanha, um mercado formado por milhares de pequenas marcas regionais que disputam participação no espaço doméstico. A cervejaria, dona da Beck’s em Bremen, descobriu que as cervejas alemãs são menos exportáveis em comparação com marcas maiores, como a belga Stella Artois ou a lager da rival holandesa Heineken.

Embora a Alemanha produza cerca de 25% de todas as cervejas originadas no continente, o país exporta menos da bebida do que os Países Baixos e a Bélgica, de acordo com números da Comissão Europeia.

Doukeris disse que o setor de bebidas alcóolicas passa por uma “grande revolução”, com mais de 60% do crescimento sendo impulsionado fora do segmento de cerveja. O executivo tenta proteger a AB InBev contra um desempenho estagnado em cervejas com a aposta em coquetéis em lata Cutwater Spirits, vinhos enlatados, plataformas de comércio eletrônico e bebidas energéticas.

A maior cervejaria do mundo trabalha com uma consultoria para avaliar as opções, disseram as pessoas. As discussões estão em andamento, e não há certeza de que a AB InBev prosseguirá com a venda das marcas alemãs, de acordo com as fontes.

“Avaliamos continuamente nossas opções para otimizar nossos negócios e impulsionar o crescimento”, disse um porta-voz da AB InBev, com sede na Bélgica, em comunicado por e-mail.

A AB InBev herdou muitas de suas cervejas alemãs por meio de uma transação anterior com a Interbrew, que se uniu à Ambev em 2004 para formar a InBev - a empresa que posteriormente se juntou à Anheuser-Busch.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos