Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    56.556,39
    -5.762,54 (-9,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Aéreas veem sinais de novo normal com plano de reabertura da UE

Nikos Chrysoloras e Siddharth Vikram Philip
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As abaladas companhias aéreas e o setor de hospitalidade da Europa receberam a promessa de um retorno gradual à relativa normalidade na quarta-feira, com um plano para aliviar as restrições às viagens devido ao coronavírus.

O braço executivo da União Europeia propôs a introdução de certificados digitais que oferecerão provas de que seus portadores foram vacinados, se recuperaram da doença ou tiveram resultados negativos recentemente e, portanto, não representam riscos significativos à saúde. Os passes têm como objetivo facilitar viagens de lazer dentro da UE e fora do bloco, segundo comunicado na quarta-feira.

A Comissão Europeia também divulgou um plano para a suspensão coordenada dos lockdowns. O roteiro, que se destina explicitamente a ajudar a recuperar o turismo, será baseado em um sistema de níveis “refletindo a situação epidemiológica em cada estado membro.”

O esforço visa criar uma política unificada, já que alguns estados membros dependentes do turismo ameaçam reabrir unilateralmente para estrangeiros. Mesmo com amplo acordo, serão necessários meses para implementar a tecnologia. A meta é que o sistema de passe de vacinas esteja pronto até meados de junho, de acordo com a proposta.

Associações do setor de aviação receberam bem a proposta, mas destacaram a urgência de tornar o sistema operacional a tempo para a geralmente rentável temporada de verão. A Associação Internacional de Transporte Aéreo e outros grupos da indústria disseram em comunicado conjunto que os certificados de vacinas, em particular, eliminam a necessidade de restrições de viagens.

Ações das companhias aéreas se valorizaram nas últimas semanas na expectativa de que a distribuição de vacinas e a redução gradual dos lockdowns impulsionem as reservas de férias. Um indicador de ações europeias de lazer e viagens recuperou as perdas do início da pandemia e está perto de máximas. As ações da Deutsche Lufthansa acumulam alta de 11% desde janeiro, enquanto os papéis da InterContinental Hotels sobem 9,8%.

A porta-voz da EasyJet disse em e-mail que a aérea de baixo custo vê como positivo o plano da UE. “Dado o progresso contínuo da distribuição de vacinas, devemos garantir que haja uma abordagem baseada em riscos e em dados para remover as restrições, com o objetivo de retomar viagens sem restrições onde for possível e seguro fazê-lo.”

O World Travel & Tourism Council, com sede em Londres, instou o Parlamento Europeu a adotar a proposta de certificado de vacinas “com urgência”, enquanto a aliança European Tourism Manifesto, que representa mais de 60 organizações de viagens, pediu que a UE trabalhe com a Organização Mundial da Saúde e outros organismos internacionais para preparar o caminho e reiniciar as viagens internacionais.

Otimismo excessivo

Ainda assim, o otimismo que impulsionou as ações de viagens pode durar pouco, pois projeções mostram que o tráfego aéreo e o turismo estão longe dos níveis pré-pandemia.

Cerca de 30% dos hotéis em Portugal não reabrirão para negócios em 2021, pois as reservas para a temporada de verão continuam fracas, especialmente de estrangeiros, de acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal.

“Achávamos que os anúncios de vacinas aumentariam as reservas, mas não houve impacto”, disse Cristina Siza Vieira, presidente da associação de hotéis, durante webcast em 3 de março. “Vai ser um ano muito ruim” para o setor, disse, porque haverá muito pouca demanda.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.