Mercado abrirá em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,95
    +1,18 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.856,20
    -9,20 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    29.727,28
    +443,32 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    661,02
    +5,19 (+0,79%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.507,59
    +23,24 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.750,00
    -21,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1548
    -0,0174 (-0,34%)
     

Aço Brasil prevê alta de 2,2% na produção de aço bruto do país em 2022

·2 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A produção brasileira de aço bruto em 2022 deve subir 2,2% em relação ao ano passado, para 36,97 milhões de toneladas, afirmou nesta terça-feira a entidade que representa as empresas do setor, Aço Brasil.

A instituição previu também alta de 2,5% nas vendas internas de aço em 2022, para 23 milhões de toneladas; e avanço de 1,5% no consumo aparente da liga no país, a 26,88 milhões de toneladas, segundo dados de apresentação a jornalistas.

Em março, a produção brasileira de aço bruto somou 2,946 milhões de toneladas, aumento de 4,9% sobre um ano antes. Mas o consumo aparente do produto caiu 14,2%, a 2,079 milhões de toneladas.

Segundo o presidente da Aço Brasil, Marco Polo Lopes, um dos desdobramentos do conflito Rússia-Ucrânia foi a intensificação da guerra comercial ao redor do mundo para países produtores defenderem seus mercados, com medidas incluindo salvaguardas, subsídios e elevação de tarifas.

No fim de 2021, o mercado produtor já tinha um excesso de capacidade de 518 milhões de toneladas.

Lopes disse ser normal que países eventualmente facilitem a importação de produtos como forma de equilibrar preços. E o aço tem sido uma das commodities globais que mais subiram nos últimos meses, inflacionando custos de várias indústrias.

"Mas o Brasil não pode ser o destinatário do desvio do comércio de outros países", disse Lopes.

O executivo também rejeitou a classificação do aço como um dos principais vilões da inflação brasileira, que tem estado acima de dois dígitos ao ano desde 2021, muito acima da meta oficial.

Segundo a entidade que ele preside, a contribuição do aço no Índice de Preço ao Atacado (IPA) da FGVs é baixa. Em 12 meses até março, considerando o IPA total de 17,6%, a participação do vergalhão foi de 0,013 ponto percentual e da bobina a quente de 0,103 ponto.

"O aço não pode ser responsabilizado pela inflação", afirmou Lopes.

(Por Aluísio Alves)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos