Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.254,93
    +75,57 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Açúcar sobe com aposta que gasolina cara puxará etanol no Brasil

(Bloomberg) -- Os contratos futuros de açúcar atingiram uma máxima de cinco anos em Londres com apostas de que a gasolina cara levará usinas no Brasil e na Índia a converterem mais cana em etanol.

Na região Centro-Sul do país, maior exportador mundial de açúcar, as usinas já favorecem o biocombustível, como de costume no início da safra. A Índia, importante fornecedora de produtos refinados, já atingiu sua meta de mistura de etanol na gasolina de 10% nesta safra e seguirá em frente com sua meta de dobrar o percentual em três anos.

Embora as perspectivas da produção brasileira permaneçam uma grande incógnita, o programa da Índia “deve acelerar o uso de mais cana-de-açúcar para a produção de combustível”, disse Arnaldo Correa, sócio da Archer Consulting.

Há muita incerteza sobre a proposta de limitar o ICMS sobre combustíveis no Brasil, que poderia tornar a gasolina mais competitiva em relação ao etanol, embora a medida enfrente oposição.

Os contratos futuros de açúcar branco subiram até 3,7% para o maior nível desde 2016 em Londres. Isso elevou seu prêmio sobre o açúcar bruto em Nova York ao maior desde 2011, aumentando as perspectivas de lucro para os processadores.

Em outros mercados agrícolas, o café arábica subiu até 3.5% em meio a sinais persistentes de que as lavouras brasileiras recebem menos chuva do que o normal, o que pode prejudicar o desenvolvimento da próxima safra.

Os preços também são apoiados por sinais de declínio das exportações da Uganda, e a “disponibilidade de curto prazo de origens-chave como Colômbia e Guatemala é praticamente inexistente”, disse Jorge Cuevas, chefe de café da Sustainable Harvest, uma importadora no estado americano de Oregon.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos