Mercado abrirá em 3 h 51 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,03
    -2,06 (-2,24%)
     
  • OURO

    1.798,60
    -16,90 (-0,93%)
     
  • BTC-USD

    24.066,10
    -619,69 (-2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    571,94
    +0,66 (+0,12%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.510,94
    +10,05 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.516,50
    -61,25 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1906
    -0,0129 (-0,25%)
     

Ações precisariam cair mais para precificar uma recessão nos EUA

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Os investidores do mercado de renda variável americano ainda apostam que a economia dos EUA evitará uma recessão, mesmo com o aperto monetário agressivo do Federal Reserve e outros bancos centrais para controlar a inflação mais aquecida em décadas.

O índice S&P 500 caiu até 1,6% na quarta-feira após a divulgação de um salto nos preços ao consumidor nos EUA em junho, mas depois apagou as perdas e era negociado acima de 3.800 pontos.

No ano, o índice registra queda de cerca de 20%. Mas para chegar a um nível que precificaria uma contração econômica nos EUA, precisaria cair mais de 5% do atual patamar, para 3.586 pontos, segundo a Bloomberg Intelligence.

Os investidores dizem que estão se preparando para mais dor à frente, depois de um dos piores semestres em décadas. A inflação persistente reforça as probabilidades de que o Fed aumente juros em 0,75 ponto percentual no final deste mês e novamente em setembro, o que alguns estrategistas temem que possa interromper a expansão econômica do país.

A questão-chave para os investidores é “quão grande será a recessão, se ocorrer”, disse Scott Knapp, estrategista-chefe de mercado da CUNA Mutual Group, em nota. “Muitos sugeriram que provavelmente será curta e superficial devido à força do mercado de trabalho e dos consumidores. As probabilidades estão aumentando de que uma mais severa seja necessária para derrotar a inflação nesses níveis”.

Economistas do Bank of America se juntaram ao Investment Institute, Wells Fargo e Nomura na expectativa de uma recessão nos EUA já em 2022. O BofA prevê uma desaceleração “leve”, dizendo que os gastos com serviços estão diminuindo e a inflação alta está levando os consumidores a recuar.

Os investidores estão agora aguardando o início oficial da temporada de balanços do segundo trimestre na quinta-feira, quando o JPMorgan e outros grandes bancos começam a divulgar resultados, para ver se o crescimento dos lucros pode enfrentar a inflação e as restrições de oferta.

No segundo trimestre, espera-se que os lucros das empresas do S&P 500 subam apenas 3,5% em relação a um ano atrás, lideradas pelos setores de energia, indústrias e matérias-primas, enquanto os setores de finanças e consumo devem apresentar as maiores quedas, de acordo com estrategistas da Bernstein. Excluindo energia, os lucro do S&P 500 cairiam 5,3%, disse a gestora.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos