Mercado fechará em 22 mins
  • BOVESPA

    117.263,25
    +1.033,13 (+0,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.686,24
    -360,34 (-0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,76
    +1,24 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.725,80
    -4,70 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    20.214,52
    +108,17 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,46
    +0,05 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.798,45
    +7,52 (+0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.391,78
    +75,46 (+0,25%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.675,50
    +34,75 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1157
    -0,0522 (-1,01%)
     

Ações de frigoríficos têm baixas na B3 após relatório sobre consumo na China

SÃO PAULO (Reuters) - As ações das principais empresas de carnes do Brasil operavam nesta quinta-feira entre as maiores quedas do Ibovespa, após a divulgação na véspera de um relatório apontando queda nas importações chinesas de cortes bovinos e suínos, conforme análise de representante do governo dos Estados Unidos para o próximo ano.

A China, maior importador de carnes do Brasil e também de grandes volumes nos EUA, onde frigoríficos nacionais como JBS e Marfrig têm a maior parte de suas operações, deverá comprar menos carne em 2023 após uma recuperação na produção local que pode deixar os preços dos produtos chineses mais competitivos frente às altas cotações globais.

A relatório publicado pelo adido do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) também impactou as ações da Minerva, maior exportador de carne bovina da América do Sul, igualmente com forte exposição à China, disse um relatório do Bradesco BBI.

"Os investidores têm sido 'altistas' com o exportador brasileiro de carne bovina Minerva e esperavam que a demanda chinesa por carne continuasse a aumentar à medida que o país se torna mais rico e os consumidores adotam novos hábitos alimentares, mas o USDA prevê que as importações de carne bovina da China cairão...", disse o Bradesco BBI.

As compras de carne bovina pelos chineses devem cair 19% no ano que vem, ante 2022.

Segundo o adido do USDA, a produção de carne bovina da China em 2023 deve crescer 4%, enquanto o consumo interno deve cair 3%, enquanto consumidores substituem parcialmente cortes de boi por suínos, com preços mais atrativos e ampla oferta.

O banco também citou o impacto negativo esperado de uma economia mais fraca na China.

Já as importações de carne suína deverão cair 8% em 2023 ante 2022, após uma recuperação da produção local. "Adicionalmente, as importações devem ser limitadas, uma vez que os preços globais são menos competitivos perto dos domésticos", disse o USDA.

Por volta das 11:30, JBS ON caía 5,34%, seguida por Minerva ON, em baixa de 4,19%, e Marfrig ON, com declínio de 4,18%. No mesmo horário, o Ibovespa subia 0,25%.

(Por Roberto Samora, com reportagem adicional e edição de Paula Arend Laier)