Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,38
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.763,00
    -3,80 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    62.928,95
    -166,80 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.391,03
    +10,08 (+0,73%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.827,17
    +34,03 (+0,12%)
     
  • NIKKEI

    29.670,77
    +28,08 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.968,00
    -46,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7122
    -0,0089 (-0,13%)
     

Ações europeias tocam nova máxima em 1 ano após sinal do BCE

Shreyashi Sanyal
·2 minuto de leitura
Bolsa de Frankfurt

Por Shreyashi Sanyal

(Reuters) - As ações europeias atingiram uma nova máxima em um ano nesta quinta-feira, com as preocupações sobre um aumento na inflação perdendo força, enquanto o Banco Central Europeu tranquilizou os mercados dizendo que está pronto para acelerar a impressão de dinheiro para conter os custos dos empréstimos da zona do euro.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,48%, a 1.634 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,49%, a 424 pontos, subindo pela quarta sessão consecutiva.

O índice de referência manteve os ganhos da sessão anterior após dados moderados de inflação nos Estados Unidos e depois que o Congresso norte-americano aprovou uma das maiores medidas de estímulo econômico da história.

O BCE disse que vai usar seu Programa de Compras de Emergência da Pandemia de 1,85 trilhão de dólares de forma mais generosa nos próximos meses para impedir qualquer aumento injustificado nos custos de financiamento da dívida, enquanto a presidente da instituição, Christine Lagarde, alertou contra o aperto prematuro das condições monetárias.

"O mercado estava preocupado com o aumento dos rendimentos, que poderia levar a uma rápida redução dos prêmios de risco nos ativos na zona do euro, razão pela qual eles estão reagindo favoravelmente ao compromisso do BCE de conter os 'yields'", disse Florian Regnery, estrategista de ativos do Commerzbank.

Os setores de tecnologia, mineração e viagens e lazer lideraram os ganhos na Europa, avançando mais de 2% cada.

Os bancos registraram as maiores perdas, com as ações do britânico HSBC cedendo 4,7%. As ações da zona do euro subiram 0,7%, sendo negociadas em seu nível mais alto em mais de 13 anos.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,17%, a 6.736,96 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,20%, a 14.569,39 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,72%, a 6.033,76 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,82%, a 24.121,37 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,80%, a 8.593,00 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 2,31%, a 4.873,31 pontos.