Mercado fechado

Ações europeias sobem no acumulado da semana com otimismo cauteloso diante de receio inflacionário

·2 minuto de leitura
Bolsa de Frankfurt

Por Shreyashi Sanyal e Sruthi Shankar

(Reuters) - As ações europeias fecharam em alta nesta sexta-feira, uma vez que a fabricante suíça de bens de luxo Richemont saltou após seus resultados e a aceleração do crescimento da atividade de negócios na zona do euro manteve investidores cautelosamente otimistas em face de crescentes preocupações com a inflação.

O índice pan-europeu STOXX 600 subiu 0,6%, acumulando pequeno ganho na semana.

A Richmont, dona da Cartier, subiu 5,0%, para um recorde, ao propor dobrar seus dividendos de volta aos níveis pré-pandemia, depois que a forte demanda por joias ajudou a elevar o lucro líquido e a conter a queda nas vendas em seu ano fiscal de 2020/21.

Da agenda macro, pesquisa da IHS Markit mostrou que o crescimento dos negócios na zona do euro acelerou no ritmo mais rápido em mais de três anos em maio, ajudado por um forte ressurgimento da dominante indústria de serviços do bloco, à medida que as economias reabriram.

Um indicador do crescimento econômico britânico atingiu seu nível mais alto já registrado em maio, quando muitas empresas de serviços reabriram suas portas e fábricas enfrentaram uma onda de demanda num contexto de uma economia global em recuperação, provocando um salto nas contratações e nos preços.

"O quadro hoje para os ativos de risco parece muito mais positivo do que no meio da semana... e o conjunto de dados econômicos mais sólidos de hoje fornece um argumento contínuo para se continuar com ações (em carteira)", disse Chris Beauchamp, analista-chefe de mercado do IG.

"No entanto, até que superemos os picos vistos há uma semana, ainda haverá alguma cautela."

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, disse que ainda é muito cedo para o banco central discutir a redução de seu esquema emergencial de compra de títulos de 1,85 trilhão de euros.

As declarações foram feitas menos de duas semanas antes de uma crucial reunião de política monetária.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,02%, a 7.018,05 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,44%, a 15.437,51 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,68%, a 6.386,41 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,10%, a 24.975,00 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,87%, a 9.204,00 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,16%, a 5.271,57 pontos.