Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.325,19
    -80,46 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Ações europeias registram segundo ganho semanal consecutivo

Por Bansari Mayur Kamdar e Shreyashi Sanyal

(Reuters) - As ações europeias fecharam próximas a uma máxima de nove meses nesta sexta-feira, apoiadas por ações de saúde e de bancos e dados econômicos otimistas do Reino Unido.

O índice STOXX 600 subiu 0,5%, superando os índices norte-americanos após o início da temporada de balanços, com resultados bancários mistos. O índice europeu fechou uma segunda semana seguida em alta, com ganhos de 1,8%.

As ações de bancos europeus subiram 0,8%.

O FTSE 100, do Reino Unido, avançou depois que dados mostraram que a economia britânica teve um crescimento de 0,1% em novembro, ajudada por um impulso do setor de bebidas durante a Copa do Mundo e das vendas de videogames, reduzindo a chance de o país já ter entrado em recessão.

Na Alemanha, dados mostraram que a economia deve ter estagnado no último trimestre do ano passado e crescido 1,9% no ano de 2022, sugerindo que a maior economia da Europa pode escapar de uma recessão durante o inverno (no Hemisfério Norte).

As ações europeias tiveram um início de ano otimista em janeiro, depois que dados sinalizaram uma desaceleração da inflação na zona do euro e nos Estados Unidos, o que pode permitir que os bancos centrais diminuam o ritmo de aperto da política monetária.

(Reportagem de Bansari Mayur Kamdar e Shreyashi Sanyal em Bengaluru)