Mercado fechará em 14 mins
  • BOVESPA

    107.575,78
    -1.492,77 (-1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.026,27
    +300,31 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,97
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.802,80
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    17.173,37
    +355,50 (+2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,67
    +8,98 (+2,28%)
     
  • S&P500

    3.972,38
    +38,46 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    33.854,44
    +256,52 (+0,76%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.666,25
    +156,75 (+1,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4967
    +0,0303 (+0,55%)
     

Ações europeias recuam por nervosismo sobre juros e temores de recessão

Pedestre caminha em frente à Bolsa de Valores de Milão

Por Devik Jain e Amruta Khandekar

(Reuters) - As ações europeias caíram nesta quarta-feira e interromperam um rali de três dias, conforme investidores moderaram as expectativas sobre os bancos centrais reduzirem sua postura agressiva contra a inflação, com uma queda na atividade empresarial na região alimentando temores em torno das perspectivas de uma desaceleração econômica.

Depois de subir mais de 5% nas três sessões anteriores, o índice pan-europeu STOXX 600 fechou em queda de 1,02%, a 398,91 pontos, depois que um forte aumento da taxa básica do banco central da Nova Zelândia nesta quarta-feira sacudiu os investidores e pesou sobre o sentimento de risco.

O índice havia registrado na terça-feira o melhor desempenho diário desde meados de março, após dados mais fracos da indústria norte-americana, diminuição da abertura de vagas de emprego nos Estados Unidos e um aumento menor do que o esperado dos juros pelo banco central da Austrália terem estimulado expectativas de que os bancos centrais em todo o mundo poderiam optar por altas de juros menos agressivos no futuro.

"(Hoje) é uma percepção de que ainda é muito cedo para concluir que a mudança está chegando", disse Azad Zangana, economista sênior e estrategista europeu da Schroders. Enquanto isso, dados mais recentes mostraram que a atividade empresarial da zona do euro contraiu pelo terceiro mês seguido em setembro, o que frustrou qualquer esperança de que a união monetária evitará a recessão.

"Acho que a Europa está entrando em uma recessão bastante acentuada", disse Patrick Armstrong, diretor de investimentos da Plurimi Wealth. "Você tem um consumidor que está sendo pressionado por contas de serviços públicos e preços da gasolina... A (atividade) industrial vai desacelerar muito à medida que os preços da eletricidade sobem."

Quase todos os índices setoriais do STOXX 600 perderam, com ações imobiliárias e de varejistas na lanterna. Os papéis de telecomunicações e bancos cederam 2,2% e 2,1%, respectivamente.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,48%, a 7.052,62 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,21%, a 12.517,18 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,90%, a 5.985,46 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,52%, a 21.360,72 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 1,52%, a 7.579,90 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,49%, a 5.444,09 pontos.