Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.280,91
    -59,68 (-0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Ações europeias iniciam setembro com fraqueza diante de temores sobre alta de juros

Telão mostra variações do mercado acionário na Bolsa de Valores de Paris

Por Anisha Sircar e Shreyashi Sanyal

(Reuters) - As ações europeias iniciaram setembro com fraqueza, chegando a cair para mínimas em sete semanas, devido às crescentes preocupações com aumentos agressivos dos juros e inflação recorde na região.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em queda de 1,80%, a 407,66 pontos, com todos os setores negociados em baixa e o índice geral marcando seu quinto dia consecutivo no território negativo.

A atividade manufatureira da zona do euro encolheu pelo segundo mês seguido em agosto, de acordo com uma pesquisa que mostrou que a demanda fraca significava que as fábricas não estavam conseguindo vender tanto quanto produziam, acumulando estoques de produtos acabados em um ritmo recorde.

Isso se seguiu a dados de quarta-feira que mostraram que a inflação regional subiu para outro pico recorde no mês passado.

As mineradoras expostas à China caíram 3,8% e lideraram as perdas europeias, com a queda dos preços dos metais, enquanto as ações de luxo também ficaram sob pressão. A LVMH, proprietária da Louis Vuitton, Kering e Hermès cederam entre 2,2% e 2,5%.

Papéis defensivos, que incluem serviços públicos e telecomunicações, registraram o menor dos declínios.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 1,86%, a 7.148,50 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,60%, a 12.630,23 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 1,48%, a 6.034,31 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,19%, a 21.302,16 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 1,02%, a 7.806,00 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,56%, a 5.961,93 pontos.