Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.337,08
    -222,30 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Ações europeias fecham em máxima em sete meses, na melhor semana desde março

Salão da Bolsa de Valores de Frankfurt

Por Bansari Mayur Kamdar e Shreyashi Sanyal

(Reuters) - As ações europeias fecharam em máximas de sete meses nesta sexta-feira, impulsionadas por papéis de mineradoras e de petróleo, enquanto dados que apontaram uma moderação no crescimento de empregos nos Estados Unidos ajudaram a acalmar o nervosismo sobre a trajetória de alta dos juros do Federal Reserve.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta de 1,16%, a 444,42 pontos, seu maior nível desde maio. Na semana, obteve ganhos de 4,6%, melhor semana em mais de nove meses.

O setor europeu de recursos básicos saltou 2,5%, na liderança dos avanços setoriais, depois de uma recuperação das mineradoras expostas à China em meio aos preços mais altos do cobre. As ações de energia subiram 1,8%, impulsionadas pelo aumento dos preços do petróleo.

Os papéis europeus inicialmente lutaram por direção nas primeiras horas das negociações, mas ganharam força depois de dados dos EUA mostrarem que fora abertos 223.000 postos de emprego fora do setor agrícola em dezembro, menos do que no mês anterior, enquanto um avanço de 0,3% na renda média veio abaixo do esperado e também menor do que no mês anterior.

Já em relação a dados econômicos na Europa, o sentimento econômico da zona do euro melhorou em dezembro pela primeira vez desde o início da guerra na Ucrânia, com mais otimismo em todos os setores da economia e uma queda acentuada nas expectativas de inflação.

As ações de tecnologia, sensíveis aos juros e que estavam em baixa mais cedo, fecharam em alta de 1,8% em meio a fortes quedas nos principais rendimentos dos títulos da zona do euro.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,87%, a 7.699,49 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 1,20%, a 14.610,02 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 1,47%, a 6.860,95 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,40%, a 25.180,35 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 1,09%, a 8.701,10 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,48%, a 5.909,35 pontos.