Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.251,71
    -2.178,83 (-1,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.593,95
    +29,68 (+0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,43
    -2,44 (-3,09%)
     
  • OURO

    1.941,00
    -4,30 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    22.918,29
    -225,26 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,84
    +277,16 (+114,21%)
     
  • S&P500

    4.075,56
    -1,04 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    33.852,24
    -233,80 (-0,69%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.164,25
    +12,25 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5527
    +0,0371 (+0,67%)
     

Ações europeias caem e registram pior ano desde 2018

Por Bansari Mayur Kamdar e Shreyashi Sanyal

(Reuters) - As ações europeias caíram no último dia de negociação de um ano difícil, marcado por tensões geopolíticas e temores de recessão, à medida que os bancos centrais aumentam as taxas de juros, enquanto as ações de Londres superaram suas contrapartes no continente devido à forte exposição a commodities.

O STOXX 600 caiu 1,3% nesta sexta-feira, com o aumento dos casos de Covid-19 na China alimentando temores com o crescimento econômico global. O índice pan-europeu caiu 12,9% no ano, seu pior desempenho desde 2018.

Empresas de luxo expostas à China, como a LVMH e Hermes caíram 2,4% e 2,7%, respectivamente.

O setor de tecnologia, sensível aos juros, havia se recuperado na quinta-feira, acompanhando os ganhos dos pares de Wall Street, já que os dados do desemprego nos EUA sinalizaram que os aumentos agressivos dos juros do Federal Reserve podem ter começado a prejudicar a força do mercado de trabalho. [.N]

As ações de tecnologia estão entre as de pior desempenho neste ano, com queda de 28,4%, com os principais bancos centrais elevando os juros.

O Banco Central Europeu abrandou o ritmo de seus aumentos de juros no início deste mês, mas enfatizou que um aperto significativo ainda está por vir e apresentou planos para drenar dinheiro do sistema financeiro."

Ganhos acentuados vinculados a commodities e uma libra fraca também ajudaram o FTSE 100, pesado em exportações do Reino Unido, superar seus pares este ano em meio a turbulências políticas e econômicas. O índice subiu 1,2% em 2022.

O FTSE 100 fechou em queda de 0,8% na sessão.

(Por Bansari Mayur Kamdar e Shreyashi Sanyal)