Mercado fechará em 2 h 5 min
  • BOVESPA

    112.110,62
    +3.328,47 (+3,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.413,16
    -668,17 (-1,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,22
    +0,98 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.765,30
    +10,00 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    16.408,98
    +210,53 (+1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,51
    -1,22 (-0,31%)
     
  • S&P500

    3.948,35
    -15,59 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    33.744,49
    -104,97 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.500,75
    -115,50 (-0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4786
    -0,0706 (-1,27%)
     

Ações europeias atingem mínima de uma semana com continuação do aperto do Fed

Salão da Bolsa de Valores de Frankfurt

Por Shreyashi Sanyal e Ankika Biswas

(Reuters) - As ações europeias atingiram mínimas em uma semana nesta quinta-feira, depois que o Federal Reserve sugeriu aumentos contínuos em sua taxa de juros daqui para frente, diminuindo as esperanças de uma moderação em sua luta agressiva contra a inflação.

O pan-europeu STOXX 600 caiu 0,9%, registrando seu pior desempenho diário em quatro semanas, com ações de tecnologia e imóveis, sensíveis aos juros, caindo 2,3% e 2,9%, respectivamente.

Enquanto a maioria dos principais índices setoriais caiu, as ações de bancos e seguradoras se mantiveram firmes, subindo 0,4% e 0,2%.

O Fed realizou seu quarto aumento consecutivo de 75 pontos-base nos juros na quarta-feira e disse que o "nível final" da taxa básica pode ser maior do que o estimado anteriormente. No entanto, o chair Jerome Powell sinalizou que as elevações futuras podem vir em níveis menores.

Os mercados europeus de ações subiram em três dos quatro dias que antecederam a decisão do Fed, auxiliados por balanços corporativos mais positivos do que o esperado. No entanto, os dados econômicos desde então forneceram mais evidências de que a zona do euro está gradualmente entrando em recessão.

À medida que a inflação da zona do euro atinge novos recordes, o Banco Central Europeu (BCE) adotou medidas semelhantes às de seu par do outro lado do Atlântico ao manter seu rápido ciclo de alta dos juros, já que sua taxa de depósito deve chegar a pouco menos de 2,9% em 2023.

Por outro lado, o Banco da Inglaterra alertou que o Reino Unido enfrenta uma longa recessão e os custos dos empréstimos devem subir menos do que o esperado, depois de elevar os juros em 75 pontos-base, a maior alta desde 1989.

(Reportagem de Shreyashi Sanyal em Bengaluru)