Mercado abrirá em 8 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,29
    +0,01 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.838,50
    +8,30 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    19.126,23
    +44,88 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,18
    +10,26 (+2,81%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.463,39
    +78,66 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    26.716,63
    +184,05 (+0,69%)
     
  • NIKKEI

    26.829,62
    +28,64 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    12.480,50
    +26,25 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3640
    +0,0442 (+0,70%)
     

Ações da SunEdison desabam; empresa pode rever aquisições de ativos renováveis

(Reuters) - A empresa de energia solar norte-americana SunEdison disse que reduzirá as vendas de ativos para suas companhias voltadas à distribuição de dividendos (conhecidas como "yieldcos"), alimentando novas preocupações sobre a capacidade da companhia de financiar suas operações, projetos e aquisições. A empresa, cujas ações caíam cerca de 20 por cento às 15h40 desta terça-feira (horário de Brasília), tem vendido usinas de energia para "yieldcos", que então recebem receitas estáveis através de contratos de longo prazo com elétricas e distribuem os lucros à companhia-mãe e outros investidores. Mas essas empresas de dividendos, um conceito no qual a SunEdison é pioneira, têm se tornado menos atrativas por causa dos fracos preços do petróleo e aumento das taxas de juros. A SunEdison disse, ao apresentar seu resultado do terceiro trimestre na segunda-feira, que não há garantia de que será capaz de levantar os 6,5 bilhões de dólares a 8,8 bilhões de dólares necessários para financiar a construção de ativos de energia renovável até 2016. A SunEdison, que não obteve lucro nos últimos três anos, disse que poderá renegociar ou encerrar os acordos de aquisição já anunciados por suas "yieldcos". No Brasil, a Renova Energia, que tem entre os controladores a elétrica mineira Cemig, possui acordo para a venda de ativos para a TerraForm Global, uma das companhias de dividendos da SunEdison, que faz parte do bloco de controle da companhia de energia renovável brasileira. (Por Shubhankar Chakravorty)