Mercado abrirá em 8 h 30 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,39
    -0,74 (-1,39%)
     
  • OURO

    1.860,70
    -5,20 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    30.522,61
    +708,57 (+2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    603,78
    -76,13 (-11,20%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.573,99
    -353,77 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    28.646,99
    -109,87 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.344,25
    -51,25 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5140
    +0,0056 (+0,09%)
     

Ações da Sanepar recuam após decisão de agência reguladora sobre reajuste tarifário

Paula Arend Laier
·1 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - As ações da Sanepar recuavam nesta quarta-feira, após a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) decidir pela aplicação de reajuste tarifário de 5,11% a partir de 5 de fevereiro.

Por volta das 10:40, as units da companhia de saneamento paranaense caíam 6,16%, a 26,07 reais, enquanto as preferenciais perdiam 3,91% e as ordinárias, com menor liquidez, desabavam 8,45%.

A Agepar também definiu sobre o processo de abertura de consulta pública para a segunda revisão tarifária periódica, com os resultados de estudos preliminares da agência reguladora apontando tarifa básica preliminar no valor de 5,3031 reais por metro cúbico, o que representa uma redução de 2,5882% em relação à tarifa que passará a vigorar em fevereiro de 2021, disse a Sanepar em fato relevante na terça-feira.

Analistas do Bradesco BBI decidiram cortar a recomendação para as preferenciais da Sanepar para 'neutra', citando a redução no tamanho do reajuste anual de 2020 para 5,11%, de 9,62%, e aplicá-lo em fevereiro.

"Isso representa apenas o repasse aos consumidores finais da inflação dos últimos 12 meses mais a variação do custo não controlável, sem considerar a quarta parcela do diferimento da revisão de 2017", explicaram Francisco Navarrete e equipe em relatório a clientes.

Ainda de acordo com a decisão da Agepar, a receita perdida de 2020 será incluída para análises como parte da revisão tarifária periódica de 2021 da Sanepar. Na visão dos analistas do Bradesco BBI, a mudança da Agepar aumenta o risco de decisões 'ad hoc' na revisão de 2021.