Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,24
    +0,48 (+0,43%)
     
  • OURO

    1.820,50
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    20.295,70
    -430,45 (-2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,57
    -10,49 (-2,33%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,47 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    26.822,37
    -227,10 (-0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.671,75
    -2,50 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5436
    -0,0005 (-0,01%)
     

Ações da Petrobras têm negociações suspensas na Bolsa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.09.2013 - Movimentação na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.09.2013 - Movimentação na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações da Petrobras iniciaram esta segunda-feira (20) suspensas das negociações do pregão da Bolsa de Valores brasileira devido ao comunicado ao mercado sobre a renúncia do presidente da companhia, José Mauro Coelho.

O procedimento temporário é adotado sempre que há alguma divulgação ou movimento de mercado capaz de provocar oscilações potencialmente prejudiciais à operação.

A queda do presidente da estatal ocorre depois de o governo de Jair Bolsonaro (PL) intensificar no fim de semana a pressão sobre ele.

Às 10h29, o Ibovespa recuava 0,69%, a 99.0085 pontos. O dólar subia 0,66%, a 5,18.

Investidores iniciam a semana atentos a novas reações vindas de Brasília ao reajuste dos combustíveis aplicado pela Petrobras.

Na sexta-feira (17), críticas de políticos à companhia provocaram forte queda das ações da empresa, enquanto o mercado doméstico ainda tentava se ajustar à alta histórica dos juros nos Estados Unidos.

Os papéis ordinários (PETR3) e preferenciais (PETR4) da petrolífera controlada pelo governo federal fecharam o pregão com perdas de 7,25% e 6,09%, respectivamente.

A PETR3 caiu ao seu menor valor neste ano, R$ 29,92, abaixo do piso de R$ 30,57 registrado em 6 de janeiro.

Após o anúncio do aumento, o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que a Petrobras "pode mergulhar o Brasil num caos". Já o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), afirmou que "vai para o pau" para "rever tudo de preços" e que vai trabalhar para taxar o lucro da petroleira.

Somente na última sexta, a estatal perdeu R$ 27,3 bilhões em valor de mercado, segundo a plataforma de dados financeiros Economatica.

"A Petrobras perdeu R$ 30 bilhões. Acredito que, na segunda-feira (18), com a CPI, vai perder outros 30", disse Bolsonaro durante um culto evangélico em Manaus (AM). A ameaça de uma CPI foi feita pelo presidente também na última sexta, após o anúncio do reajuste.

O desempenho negativo das ações da Petrobras contribuiu para que o Ibovespa caísse 2,90%, aos 99.824 pontos, na sexta. Essa é a pontuação mais baixa para um fechamento do índice de referência da Bolsa desde o início de novembro de 2020, última vez que o indicador havia ficado abaixo dos 100 mil pontos.

No acumulado desta semana, o Ibovespa afundou 5,36%, registrando a maior perda semanal desde a queda de 7,28% em outubro do ano passado.

Investidores pesam cada vez mais os riscos de que a proximidade das eleições potencialize medidas que possam comprometer o funcionamento do mercado, aumentar a pressão inflacionária e gerar mais gastos públicos.

A crise envolvendo uma das principais empresas da Bolsa brasileira ocorre em um momento de aumento das preocupações sobre os rumos da economia mundial.

Gestores discutem a possibilidade de uma recessão global após, na última quarta-feira (15), o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) ter confirmado um aumento de 0,75 ponto percentual da sua taxa de juros. É a maior alta aplicada pela autoridade monetária dos Estados Unidos desde 1994.

O aumento aplicado nesta quinta pelo Fed elevou a taxa de referência para o empréstimo diário entre bancos (parâmetro para o setor de crédito em geral) para um intervalo entre 1,5% e 1,75% ao ano.

Na próxima quarta-feira (22), o presidente do Fed, Jerome Powell, discursará em audiência no Senado, oportunidade para que o mercado avalie os próximos passos da autoridade monetária após o aumento histórico dos juros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos