Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    49.932,15
    +1.384,30 (+2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Ações da Petrobras desabam 17% em Nova York com analistas cortando recomendações

·1 minuto de leitura
Indicadores da bolsa B3

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As ações da Petrobras desabavam quase 17% nas negociações pré-abertura na bolsa de Nova York nesta segunda-feira, após analistas cortarem recomendações para os papéis na sequência do anúncio pelo presidente Jair Bolsonaro da indicação de um general como novo presidente da companhia.

Analistas de Credit Suisse, Scotiabank, Bank of America, Bradesco e XP estão entre os que cortaram recomendações para as ações, com a XP afirmando que não é mais possível defender uma tese de investimento na estatal após a súbita decisão de Bolsonaro de substituir o CEO Roberto Castello Branco, bem visto pelo mercado.

A XP disse ver "riscos para a manutenção da política de preços de combustíveis da Petrobras em linha com referências internacionais".

Bolsonaro anunciou a indicação de Joaquim Silva e Luna para substituir Castello Branco com uma publicação no Facebok após o fechamento do mercado na sexta-feira.

O general da reserva disse em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta segunda-feira que não discutiu com o governo e não tem opinião formada sobre uma eventual privatização da companhia.

No sábado, Luna disse à Reuters que a companhia precisa encontrar um "equilíbrio" na política de preços, considerando seus impactos sobre acionistas, investidores e consumidores.

(Por Sabrina Valle, reportagem adicional de Paula Laier)