Mercado fechado

Ações da Alibaba sobem quase 8% em seu primeiro dia na Bolsa de Hong Kong

Felipe Ribeiro

O preço das ações da Alibaba aumentou 7,7% durante sua primeira manhã de negociação na Bolsa de Valores de Hong Kong. Logo após a abertura do pregão, as ações subiram do preço de cotação de HKD$ 176 ou US$ 22,49 (um desconto de 2,9% em relação ao preço de fechamento da bolsa de valores de Nova Iorque na terça-feira) para HKD$ 189,50 ou US$ 24,21. Vale lembrar, porém, que esta não é a primeira vez que a gigante chinesa está presente no mercado de ações de Hong Kong. Em 2007, sua plataforma de comércio eletrônico B2B, a Alibaba.com, abriu mercado por lá, antes que a empresa se tornasse uma companhia fechada novamente em 2012.

Cada um dos recibos de depósitos americanos da Alibaba na bolsa de Nova Iorque é equivalente a cerca de oito ações de Hong Kong. A Alibaba emitiu 500 milhões de novas ações ordinárias para a oferta secundária, além de uma opção geral de cotação para 75 milhões de ações, que permitirão angariar ainda mais dinheiro caso sejam compradas. Suas ações em Hong Kong estão sendo negociadas sob o código 9988, um jogo de palavras para "prosperidade a longo prazo" em chinês.

A estreia da Alibaba na Bolsa de Nova York em 2014 arrecadou um total de US$ 25 bilhões, tornando-a a maior oferta pública da história. A empresa havia inicialmente considerado realizar seu IPO em Hong Kong, mas, na época, sua bolsa de valores não permitia ações de classe dupla, uma estrutura frequentemente usada por startups de tecnologia, porque permite que detentores de uma classe de ações tenham mais direitos a voto do que acionistas ordinários. Com isso, se garante que as empresas continuem a ter o controle mesmo depois que forem abertas.

No ano passado, a Bolsa de Valores de Hong Kong mudou suas regras para acomodar ações deste tipo, permitindo que empresas de tecnologia, como a Meituan e Xiaomi, abrissem mercado por lá também.

Evento que marcou a "reentrada" da ALibaba na bolsa de Hong Kong / Imagem: VCG / Getty Images

“Como resultado da inovação contínua e das mudanças no mercado de capitais de Hong Kong, somos capazes de perceber o que lamentavelmente perdemos há cinco anos. Hoje, entendemos melhor o passado e o que dissemos: ‘Quando as condições permitirem, voltaremos a Hong Kong", disse o CEO da Alibaba, Daniel Zhang, em comunicado à imprensa.

A listagem em Hong Kong também facilitará para que mais investidores chineses comprem e vendam ações da Alibaba, já que existe uma colaboração entre as bolsas de valores de lá com Xangai e Shenzhen.

No meio da confusão

A estreia de Alibaba na bolsa de valores de Hong Kong ocorre depois de meses de tumultuadas manifestações pró-democracia (a instituição em questão permaneceu estável, apesar dos protestos). Além disso, ela ocorreu no dia em que mais da metade dos 452 assentos para votação nas eleições do conselho distrital local deixou de ser maioria do governo comunista para candidatos a favor da democracia.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: