Mercado fechará em 6 h 10 min
  • BOVESPA

    110.736,64
    -979,36 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,60
    +0,86 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.653,20
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.172,17
    +251,76 (+1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,42
    +6,32 (+1,46%)
     
  • S&P500

    3.694,41
    +1,18 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    29.515,98
    -74,43 (-0,25%)
     
  • FTSE

    6.978,39
    -40,21 (-0,57%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.439,25
    +62,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1413
    +0,0437 (+0,86%)
     

Ações da Alemanha lideram perdas após pesquisa mostrar sentimento pessimista; Powell alimenta temores

Bolsa de Valores de Frankfurt

Por Shreyashi Sanyal

(Reuters) - As ações europeias caíram nesta sexta-feira, com a Alemanha na lanterna e investidores preocupados com dados fracos sobre o sentimento do consumidor do país, enquanto uma reiterada postura "hawkish", agressiva contra a inflação, do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, alimentou os temores.

O índice pan-europeu STOXX 600 cedeu 1,68%, a 426,09 pontos, com queda semanal de 2,6%. O índice DAX da Alemanha encerrou em baixa semanal de 4,2%, sua pior semana em mais de dois meses.

O sentimento do consumidor alemão deve atingir uma mínima recorde pelo terceiro mês consecutivo em setembro, mostrou uma nova pesquisa, conforme as famílias se preparam para o aumento das contas de energia. Em contraste, a confiança do consumidor francês subiu inesperadamente em agosto.

"Os temores de recessão na Alemanha tornaram-se mais intensos com o índice de confiança caindo para uma nova mínima recorde... A Alemanha é particularmente dependente de produtores externos de energia, e as pessoas estão economizando o máximo em 11 anos, mostrando que os consumidores estão tomando precauções para o pior cenário possível", disse Sophie Lund-Yates, analista de ações da Hargreaves Lansdown.

Comentários de Powell não ofereceram nenhum alívio para os nervosos mercados acionários, uma vez que ele destacou que a economia dos Estados Unidos precisará de uma política monetária apertada "por algum tempo" antes que a inflação esteja sob controle, o que significa crescimento mais lento, um mercado de trabalho mais fraco e "alguma dor" para as famílias e empresas.

Os papéis de varejo e viagens e lazer recuaram cerca de 3,5% cada, pior desempenho entre os setores europeus.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,70%, a 7.427,31 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 2,26%, a 12.971,47 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 1,68%, a 6.274,26 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 2,49%, a 21.895,25 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 1,51%, a 8.063,90 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,65%, a 6.203,84 pontos.