Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,71
    -0,44 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.661,20
    -8,80 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    19.427,35
    +292,88 (+1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,76
    +14,98 (+3,49%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.446,02
    +272,04 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    11.536,25
    -19,50 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2269
    -0,0057 (-0,11%)
     

Ações de construção civil estão entre maiores 'short interest' na B3, diz XP

Bolsa de Valores B3

(Reuters) - Ações de empresas de construção estão entre os papéis mais alugados no mercado acionário brasileiro, considerando métricas como taxa de aluguel e a posição de contratos em aberto em relação às ações em circulação no mercado ('short interest'), conforme relatório da XP Investimentos divulgado nesta segunda-feira, que considera as posições de 9 de setembro.

O monitor analisa a atividade de venda a descoberto ('short selling') das 263 ações negociadas na bolsa paulista que são líquidas e envolvidas em operações vendidas.

Entre as 10 ações com maior 'short interest' estão MRV, com 16,1%; Cyrela, com 15,5%; Tenda, com 13,3%; e EZtec e Trisul, com 13,1% cada. Nesse bloco ainda estão, 3R Petroleum, M. Dias Branco, Marfrig, Movida

Na comparação com 26 de agosto, os papéis que mostraram maior crescimento no 'short interest' foram Gol, com alta de 5 pontos percentuais, para 12,4%; Iochpe-Maxion, com acréscimo de 4,2 pontos, a 7%; Alpargatas PN, com elevação de 4 pontos, a 12,9%; Marfrig, com aumento de 3,9 pontos, a 13,6%; e Tenda, com avanço de 3,6 pontos.

As maiores quedas nessa métrica foram IRB Brasil, com diminuição de 13,9 pontos, para 12,7%; Méliuz, com baixa de 4,1 pontos, para 10,7%; Restoque, com recuo de 3,4 pontos, a 4,5%; Cielo, com redução de 2,3 pontos, para 5,4%; e Locaweb, com declínio de 1,8 ponto, a 6,8%, segundo o relatório.

O 'short interest' médio dos papéis que fazem parte do Ibovespa permaneceu em 3,5%, enquanto o do Small Caps subiu 0,2 ponto, a 5,7%,

Olhando a taxa de aluguel, IRB Brasil liderava, com 56,5%, seguida por TC, com 48,6%; Dommo, com 31,4%; Infracommerce, com 30%, Time for Fun, com 29,8%; Fertilizantes Heringer, com 27,6%; Mobly, com 17,3%; Nubank, com 15,5%; Lupatech, com 14,6%; e Locaweb, com 14%.

Nesse caso, os maiores aumentos na comparação quinzenal foram Infracommerce, com 21,4 pontos percentuais, Lupatech, com 9,3 pontos, Marfrig, com 6 pontos, Dommo, com 5,1 pontos e Recrusul, com 4,4 pontos.

Na ponta de baixa, os destaques foram EZtec, com declínio de 4,7 pontos percentuais; IRB Brasil, com recuo de 4,1 pontos; Locaweb, com queda de 3,2 pontos; Nubank, com redução de 2,3 pontos; e Tenda, que registrou uma diminuição de 2 pontos.

A equipe da XP explica que, em geral, quando métricas como taxa de aluguel, 'short interest' e 'days to cover' (que indica aproximadamente quantos dias seriam necessários para que os vendedores a descoberto cobrissem suas posições existentes) são altas, "tende a ser um sinal de baixa, pois podem indicar que os investidores institucionais estão esperando que as ações caiam ou que estão aumentando suas apostas contra as ações".

A equipe da XP ressaltou, porém, que esses componentes não devem ser o único determinante de uma decisão de investimento. "Recomendamos usar este relatório como parte do processo de pesquisa, avaliando possíveis riscos em relação a uma ação, setor ou mercado em geral."

(Por Paula Arend Laier; edição de André Romani)