Mercado abrirá em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,43
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.765,70
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    61.734,08
    -1.408,54 (-2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.375,78
    -5,17 (-0,37%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.005,16
    +21,66 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.986,75
    -27,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Ações chinesas de tecnologia despencam após SEC adotar regra de deslistagem de papéis

Katanga Johnson e Scott Murdoch
·2 minuto de leitura

Por Katanga Johnson e Scott Murdoch

WASHINGTON/HONG KONG (Reuters) - As ações de empresas chinesas com listagem dupla caíram fortemente nesta quinta-feira na Ásia, depois que o regulador de valores mobiliários dos Estados Unidos adotou medidas que expulsariam empresas estrangeiras das bolsas de valores norte-americanas se elas não cumprirem padrões de auditoria norte-americano.

O movimento da Securities and Exchange Commission (SEC) contribui para a repressão regulatória sem precedentes na China sobre as empresas de tecnologia nacionais.

O "Holding Foreign Companies Accountable Act", sancionado pelo então presidente Donald Trump em dezembro, busca deslistar empresas chinesas das bolsas dos EUA se elas não seguirem os padrões de auditoria norte-americanos por três anos consecutivos.

As regras também exigem que as empresas provem à SEC que não pertencem ou são controladas por alguma entidade de um governo estrangeiro e não nomeiam membros de conselho de administração que sejam funcionários do Partido Comunista Chinês, disse a SEC em um comunicado na quarta-feira.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que a decisão da SEC prejudica a reputação dos mercados de capitais dos EUA.

"É claramente discriminatório contra as empresas chinesas, é uma repressão política desenfreada das empresas chinesas listadas nos EUA", disse a porta-voz Hua Chunying nesta quinta-feira.

"Isso priva o público e os investidores dos EUA de compartilhar o crescimento das empresas chinesas. Isso prejudicará a posição dos EUA como mercado de capitais."

"Exigimos que os EUA a pararem de politizar a regulamentação de segurança, parem com práticas discriminatórias contra as empresas chinesas e proporcionem um ambiente de negócios justo e não discriminatório para todas as empresas listadas nos Estados Unidos."

A Comissão de Valores Mobiliários da China (CSRC) não respondeu imediatamente a um pedido de comentários da Reuters.

Em Hong Kong, a notícia gerou uma forte venda das empresas chinesas listadas nos EUA, que também estão listadas na bolsa de valores da cidade.

As ações da Baidu fecharam em queda de 9,65%, o Alibaba caiu 3,9%, a JD.Com perdeu 3,57% e a Netease recuou 2,25%.

"Muitos investidores pensaram que os EUA e o governo Biden seriam mais amigáveis com a China e as coisas seriam mais fáceis, mas esta notícia mostra que será igualmente difícil", disse Louis Tse, diretor-gerente da Wealthy Securities.