Mercado abrirá em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,77
    +1,02 (+1,71%)
     
  • OURO

    1.720,20
    -13,40 (-0,77%)
     
  • BTC-USD

    51.352,00
    +2.361,64 (+4,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.025,60
    +37,51 (+3,80%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.680,45
    +66,70 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.137,50
    +82,25 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8561
    -0,0060 (-0,09%)
     

Ação de empresa de veículos elétricos no vermelho dispara 3.000%

Mark Chediak e Catherine Traywick
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Não há nada no balanço da Blink Charging indicando que a ação da empresa está entre as mais populares nos Estados Unidos.

A companhia nunca registrou lucro anual em seus 11 anos de história; alertou no ano passado que poderia ir à falência; tem perdido participação de mercado e registra uma receita anêmica.

Ainda assim, a demanda pela ação da empresa é alta. Os papéis da Blink deram um salto de 3.000% nos últimos oito meses. Apenas sete ações - de cerca de 2.700 que valem pelo menos US$ 1 bilhão - subiram mais ao longo desse período. O motivo: a Blink é uma empresa de energia verde, proprietária e operadora de estações de recarga de veículos elétricos. E se os investidores têm certeza de alguma coisa é que as empresas verdes são investimentos imperdíveis e obrigatórios do futuro.

Nenhuma ação capta melhor essa euforia do que a da Blink. Com valor de mercado de US$ 2,3 bilhões, o indicador de valor/vendas da empresa - uma métrica comum para saber se uma ação está sobrevalorizada - disparou para 493. Em comparação, para a Tesla - a queridinha do mundo de veículos elétricos e uma empresa com valor de mercado muito maior - esse número é de apenas 25.

“Tudo sobre a empresa está errado”, disse Andrew Left, fundador da Citron Research. “É apenas um nome bonito que chamou a atenção dos investidores de varejo.”

A Citron foi uma das poucas empresas que apostou contra a Blink no ano passado, com operações de venda a descoberto que recompensariam se o preço das ações caísse. É uma das várias apostas de baixa em ações favorecidas pela multidão de investidores de varejo que se posicionaram contra a Citron - com a GameStop sendo a mais conhecida -, o que levou Left a anunciar em 29 de janeiro que a empresa iria suspender pesquisas sobre ações com posições vendidas. O indicador de posições vendidas em ações da Blink - que mostra a quantidade de apostas contra os papéis - caiu para menos de 25% das ações em circulação em relação a mais de 40% no final de dezembro.

Para os vendedores a descoberto, uma das coisas que chama atenção é que vários nomes da Blink, incluindo o CEO e presidente do conselho, Michael Farkas, foram associados a empresas que entraram em conflito com normas regulatórias anos atrás.

Farkas descarta essa e outras críticas feitas por investidores com posições vendidas. “Sempre houve e sempre haverá críticos”, disse Farkas por e-mail. “Quando fundei a empresa, os críticos questionavam se a mudança para veículos elétricos era real. Agora, à medida que o valor do nosso negócio cresce, os críticos tendem a ser vendedores a descoberto.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.