Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.202,73
    +434,68 (+2,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Ação da Vale precifica efeito de US$18 bi por danos e há espaço para novas altas, diz BTG

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - As ações da Vale precificam um efeito monetário de danos relacionados a risco de volume de produção, provisões adicionais, questões de ESG, entre outros, de cerca de 18 bilhões de dólares, segundo estimativas de analistas do BTG Pactual, em relatório nesta quarta-feira.

Assim, mesmo um acordo bilionário pelo desastre de Brumadinho (MG) poderia representar uma fração dos danos precificados, o que dá espaço para as ações da empresa continuarem se valorizando, após um recorde histórico marcado pelo papel na segunda-feira, acrescentou a análise do banco.

O cálculo sobre a precificação de danos, segundo Leonardo Correa e Caio Greiner, está baseado em um múltiplo de 4,5 vezes a meta de Ebitda para 2021, que, na visão deles, ainda reflete um nível de risco elevado, bem como desconto relevante em relação a mineradoras australianas e níveis históricos de negociação.

"Assim, mesmo que a Vale acrescente provisões e faça um acordo com o governo de Minas Gerais, no valor de cerca de 4 bilhões de dólares (cerca de 21 bilhões de reais), isso ainda seria apenas uma fração do dano precificado na ação --'apenas' 25%-30%", avaliam.

Uma audiência entre representantes do governo e da mineradora sobre reparações pelo desastre de Brumadinho (MG) em 2019, que matou cerca de 270 pessoas, foi realizada na terça-feira, mas não chegou a consenso.

De acordo com o secretário-geral do Estado, Mateus Simões, o governo mineiro considerou a proposta da Vale de um acordo global de cerca de 21 bilhões de reais longe do esperado. Uma nova reunião foi marcada para 9 de dezembro.

Nesse cenário, a equipe do BTG afirma acreditar que as ações podem continuar se valorizando, mesmo se a Vale fechar um negócio multibilionário com o governo, já que alguém poderia argumentar a favor de um 're-rating'.

Correa e Greiner relatam que muitos observadores considerariam um acordo com as autoridades um catalisador para os papéis, "já que todas as questões seriam resolvidas e, finalmente, a página seria virada".

Em relatório a clientes nesta quarta-feira, o BTG reiterou recomendação de 'compra' para os papéis, argumentando que os mesmos estão subvalorizados. O preço-alvo dos analistas para os ADRs da Vale é de 14 dólares.

Por volta de 15:10, as ações da mineradora negociadas na bolsa paulista operavam praticamente estáveis, a 66,95 reais, após renovarem máxima histórica na véspera, enquanto o Ibovespa perdia 0,4%. Em Nova York, os American Depositary Receipts (ADR) da companhia subiam 0,6%, a 12,64 dólares.

(Por Paula Arend Laier)