Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,42
    -0,87 (-1,16%)
     
  • OURO

    1.734,20
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    41.649,06
    -1.498,80 (-3,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.033,22
    -23,93 (-2,26%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.770,00
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3425
    +0,0357 (+0,57%)
     

Ação da Petrobras dispara e impede queda mais forte da Bolsa

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Movimentação de pessoas pela Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Movimentação de pessoas pela Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com um resultado robusto e o anúncio de um pagamento bilionário em dividendos, as ações da Petrobras subiram mais de 7% nesta quinta-feira (5) e foram responsáveis por impedir uma queda mais forte na Bolsa de Valores brasileira.

Os papéis da petroleira encerraram a sessão com alta de 7,88% (preferenciais, sem direito a voto) e de 9,63% (ordinárias, com direito a voto). As ações da companhia lideraram as maiores altas do Ibovespa, principal índice acionário do país.

Segundo Lucas Carvalho, analista de investimentos da Toro, o resultado reportado pela Petrobras nesta quinta (5) referente ao segundo trimestre veio muito acima do esperado pelo mercado, o que impulsionou uma valorização significativa nas ações da companhia.

“Esse resultado veio muito acima do esperado e fez preço. A companhia apresentou Ebitda [lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciações] recorde e, inclusive, divulgou um pagamento cavalar aos acionistas, entrando no hall de grandes pagadores de dividendos. Esse resultado, claro, reverbera no mercado”, afirmou o analista.

A petroleira atingiu um lucro de R$ 42,8 bilhões no segundo trimestre –ante prejuízo de R$ 2,7 bilhões registrados em igual período de 2020. O resultado veio apoiado em maiores margens de lucro nos combustíveis, maiores vendas de óleo e derivados, ganhos cambiais devido à valorização do real frente ao dólar e ganhos de participações em investimentos.

A direção da Petrobras também reafirmou a política de acompanhamento das cotações internacionais do petróleo e não descartou a possibilidade de distribuir mais do que os R$ 31,6 bilhões em dividendos já anunciados aos seus acionistas.

Apesar do forte avanço das ações da petroleira nesta quinta-feira (5), a Bolsa de Valores brasileira encerrou o dia no vermelho. O Ibovespa fechou em queda de 0,14%, aos 121.632 pontos.

Pesaram no índice as ações da Vale –que terminaram o dia com um recuo de 3,25% diante do tombo nos preços do minério de ferro – e os papéis do setor financeiro, que caíram em massa na sessão.

Além disso, investidores seguem cautelosos diante das tensões políticas e dos temores fiscais que continuam a se estender no cenário doméstico.

Nesta quinta, houve uma nova escalada nas desavenças entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o Judiciário.

Depois do fechamento do mercado houve ainda a notícia de que o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, cancelou a reunião entre os chefes dos três Poderes que havia convocado e afirmou que Bolsonaro não cumpre a própria palavra.

Segundo Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora, a sinalização de um ritmo mais acelerado no aumento da Selic (taxa básica de juros) por parte do Copom (Comitê de Política Monetária) na véspera, combinada aos receios sobre o rumo fiscal, também acabaram puxando o índice para baixo.

Na quarta (4) o Copom chegou a garantir pelo menos mais um aumento de 1 p.p. (ponto percentual) para a próxima reunião. O movimento fez parte da curva de juros futuros se inclinar para cima e já mirar a casa de 8% a partir de 2022.

“Para ajudar na inclinação da curva, que por si só reduz o apetite por risco e pressiona, em especial, setores como construção e varejo, existem muitas dúvidas sobre o rumo do fiscal após Bolsonaro confirmar o aumento de 50% para o novo Bolsa Família sem uma contrapartida clara de receita. O mercado está de olho nos avanços sobre a privatização dos Correios”, afirmou Ribeiro.

No exterior, os índices americanos tiveram um dia positivo. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq Composite subiram 0,78%, 0,60% e 0,78%, respectivamente.

A maior aversão ao risco também acabou refletindo no dólar, que encerrou a sessão em alta de 0,55%, a R$ 5,2170.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos