Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +0,38 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.782,80
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    66.077,04
    +1.937,89 (+3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.354,25
    -23,25 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5196
    +0,0234 (+0,36%)
     

Ação da Hypera cai após acordo envolvendo venda de negócio de descartáveis

·1 minuto de leitura

(Reuters) - As ações da Hypera Pharma chegaram a cair quase 6% nesta quinta-feira, após acordo para pagar 500 milhões de reais à Falcon para encerrar um processo de arbitragem envolvendo a venda do negócio de descartáveis em 2017.

Por volta de 12:40, os papéis caíam 4,06%, a 32,86 reais, ainda entre as maiores quedas do Ibovespa, que cedia 1,09%. No pior momento da sessão, os papéis da empresa farmacêutica foram negociados a 32,24 reais, queda de 5,87%.

O analista do Credit Suisse Mauricio Cepeda destacou que esse risco não aparecia no formulário de referência da companhia e que as provisões somavam apenas cerca de 100 milhões de reais. Em nota a clientes, acrescentou que o pagamento afetará os lucros e o caixa em outubro.

No comunicado divulgado na véspera, a Hypera afirmou que o pagamento "não altera as projeções financeiras estabelecidas para o ano de 2021 ou os investimentos previstos".

O analista do Bradesco BBI Marcio Osako também destacou em comentários a clientes que o evento era inesperado, mas ponderou que o montante representa apenas 2,3% do valor de mercado da companhia e "one-off" (único).

"Nós acreditamos que o motivo da discordância foi a economia da operação mais fraca do que o esperado devido a fatores que foram difíceis de prever pelo comprador ex-ante e que resultaram em um preço exagerado", afirmou.

Osako destacou que não há outra disputa arbitral relacionada aos outros desinvestimentos realizados durante esse ciclo de reestruturação 2015-17.

(Por Paula Arend Laier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos