Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,59
    +1,02 (+0,93%)
     
  • OURO

    1.825,30
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    20.833,40
    -244,08 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,29
    -7,51 (-1,63%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.897,69
    +26,42 (+0,10%)
     
  • NASDAQ

    12.086,75
    +46,25 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0160 (-0,29%)
     

99 é condenada a pagar R$ 600 mil à família de motorista de BH que morreu de Covid

99 foi condenada a pagar R$ 600 mil à família de motorista que morreu de Covid em BH. Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images.
99 foi condenada a pagar R$ 600 mil à família de motorista que morreu de Covid em BH. Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images.
  • A 99 foi condenada pelo Tribunal Regional do Trabalho em Minas Gerais (TRT-MG) a pagar R$ 600 mil à família de um motorista que morreu de Covid-19 em 2021;

  • Além dos R$ 600 mil, a plataforma foi condenada a pagar uma pensão mensal de R$ 1 mil à mulher do motorista e a cada uma de suas filhas;

  • Sobre a decisão, a 99 afirmou que "não comenta processos ainda em andamento na Justiça".

A 99, empresa de aplicativo de transporte individual, foi condenada pelo Tribunal Regional do Trabalho em Minas Gerais (TRT-MG) a pagar R$ 600 mil de indenização à família de um motorista parceiro de Belo Horizonte que morreu em junho do ano passado após contrair Covid-19.

A juíza Silene Cunha de Oliveira também condenou a plataforma a pagar uma pensão mensal no valor de R$ 1 mil à mulher e a cada uma das duas filhas de Andrei César da Silva Euler. O valor deverá ser concedido à mulher do motorista até completar 76 anos, e às filhas até completarem 24 anos.

Leia também:

Para o jornal Folha de S. Paulo, a mulher de Andrei, que preferiu não ter seu nome divulgado, afirmou que o trabalho dele era a principal renda familiar.

"Deixou de ficar com a gente em muitas comemorações, como Natal e Ano Novo, para trabalhar. Na pandemia, levou muita gente para hospital e posto de saúde.", disse ela.

Andrei foi dono de uma barbearia, mas o negócio não foi para frente e fechou logo antes da pandemia. Foi quando começou a trabalhar como motorista na 99. Ele tinha 43 anos.

"Ele descobriu que tinha Covid no dia 18 de maio e foi internado já no dia 21. Ele trabalhava direto, o período que não estava rodando, estava em casa. Mas não tinha nenhum suporte em relação à Covid. A 99 não me ofereceu nenhum suporte depois da morte dele", afirmou a esposa do motorista, com quem foi casada durante 11 anos.

Ainda cabe recurso à decisão. A 99 não se pronunciou sobre o caso, afirmando que "não comenta processos ainda em andamento na Justiça".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos