Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,29
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.867,00
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    43.216,07
    -2.682,48 (-5,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.301,75
    -1,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4107
    +0,0008 (+0,01%)
     

92% dos sites pirata de streaming de futebol trazem ameaças aos usuários

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

Com uma distribuição internacional nem sempre abrangente, com assinaturas caras ou coberturas locais que deixam a desejar, os sites internacionais de streaming pirata de competições esportivas se tornaram uma alternativa interessante para quem deseja acompanhar as rodadas das competições em outros países. Ao fazerem isso, entretanto, também há um grande risco envolvido, com 92% dos serviços de transmissão irregular de futebol apresentando ameaças à segurança dos espectadores.

O levantamento é da Webroot, empresa de pesquisa em cibersegurança. De acordo com os especialistas, os golpes envolvendo as transmissões pirateadas podem variar, indo desde anúncios maliciosos ou envolvendo tentativas de phishing para obtenção de dados até artimanhas para instalar malware. Navegadores também podem ser contaminados durante o uso de tais alternativas, com pragas que assumem o controle de notificações, exibem propagandas ou tentam redirecionar pesquisas realizadas pelo usuário para sites inseguros.

Kelvin Murray, pesquisador sênior de ameaças da Webroot, define a utilização destas plataformas como um labirinto de ameaças. Elas podem aparecer em grande quantidade diante do usuário ou serem bem sofisticadas, envolvendo criptomoedas, promessas de conteúdo ou itens gratuitos e oferecendo a instalação de aplicativos que garantem vantagens especiais, tudo visando a contaminação de dispositivos, o roubo de dados ou a aplicação de ataques ou golpes digitais.

Apesar disso, o relatório da empresa aponta que a quantidade de golpes com alto nível de sofisticação é pequena em relação a tentativas claras de golpe, que podem ser detectadas por usuários experientes. O problema, apontam os especialistas, é maior para todos os outros, que podem cair nas iscas divulgadas em anúncios ou entregarem seus dados para criminosos que se escondem por trás da possibilidade de assistir às partidas internacionais de graça. Na conclusão da Webroot, o uso de serviços ilegais de streaming esportivo é impossível sem que o usuário corra algum tipo de risco.

Para quem quiser insistir, os especialistas indicam a utilização de aplicativos de segurança e antivírus, que devem estar sempre ativos e atualizados, sendo capazes de detectar as ameaças mais comuns. Usar bloqueadores de anúncios e VPNs também podem ajudar a mitigar o problema, enquanto a única alternativa plenamente segura é recorrer às plataformas oficiais de transmissão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: