Mercado fechará em 5 h 7 min
  • BOVESPA

    109.341,35
    +497,61 (+0,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.628,46
    +70,81 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,00
    -0,29 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.778,90
    +15,10 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    42.526,03
    -1.438,40 (-3,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.063,67
    -0,18 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.349,82
    -7,91 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    33.933,68
    -36,79 (-0,11%)
     
  • FTSE

    6.980,43
    +76,52 (+1,11%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.050,00
    +40,50 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2455
    +0,0008 (+0,01%)
     

80% de empresas digitais podem sofrer ciberataque, diz estudo

·1 minuto de leitura
Foram consultadas 3,6 mil empresas em diferentes continentes. Foto: Getty Images.
Foram consultadas 3,6 mil empresas em diferentes continentes. Foto: Getty Images.
  • 20% afirmam ter sofrido mais de 7 ataques em 2020

  • Home office deixou sistemas mais vulneráveis

  • Foram consultadas 3,6 mil empresas em diferentes continentes

80% das empresas globais podem sofrer ciberataques no próximo ano. De acordo com a empresa de segurança digital Trend Micro, casos de companhias hackeadas recentemente como JBS, Grupo Fleury e Renner indicam o que pode virar comum nos próximos meses.

Das companhias entrevistadas, 20% afirmaram ter sofrido mais de 7 ataques virtuais em 2020. No ano anterior, apenas 17% dizem ter sofrido invasões.

A maioria dos ataques sofridos caem na categoria “man in the middle”, quando hackers capturam e-mails, mensagens ou transações bancárias fingindo se passar por uma fonte diferente. Outro tipo conhecido de ataque são os ransomware, em que dados da vítima são “sequestrados” e os criminosos pedem um resgate para desbloquear os sistemas.

De acordo com a pesquisa, o aumento da adoção de home office e o trânsito de dados tornaram os sistemas mais vulneráveis. Entre os maiores riscos, o estudo identificou a complexidade e a falta de alinhamento das organizações, além da utilização de provedores de nuvem.

Para o levantamento, foram consultadas 3,6 mil empresas de diferentes tamanhos e setores na América Latina, América do Norte, Europa e Ásia.

As informações são do Estadão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos