Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.274,67
    -63,99 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

8 em cada 10 empresas desligam a segurança para não afetar a produção

Um novo relatório da companhia de cibersegurança Kaspersky apontou que 78% das empresas do setor industrial desativaram alguma solução de segurança cibernética para evitar a paralisação da produção ou de sistemas de automação. De acordo com os pesquisadores, essa constatação é bastante preocupante e mostra que as empresas se preocupam mais em produzir do que com a segurança.

Evitar parar a produção é algo fundamental para as indústrias, já que parar significa atrasar pedidos e, em última instância, perder vendas e credibilidade com seus clientes. Por conta disso, diversas organizações consideram um desafio conciliar produtividade e segurança da informação, sem que uma afete a outra. Nesses casos, a produção sempre acaba vencendo.

Empresas trocam de solução para não parar

De acordo com a Kaspersky, além de 78% das empresas priorizarem a produção em prejuízo da proteção, 89% optam por trocar suas soluções de segurança em casos extremos. No entanto, 67% das companhias dão preferência para mudar seus sistemas de produção e automação para tentar evitar conflitos. Porém, 100% tentam revisar suas configurações de segurança.

"Um dos principais problemas é que as empresas acabam usando a mesma solução de segurança corporativa no ambiente industrial”, diz o gerente-executivo da Kaspersky no Brasil, Roberto Rebouças. Segundo ele, a tecnologia operacional e a tecnologia da informação trabalham de maneiras diferentes e sob lógicas que, em muitas ocasiões, não casam.

Lógicas diferentes

Na T.I, por exemplo, se um ransomware entra no sistema, as soluções de segurança buscam bloquear processos para impedir o espalhamento da ameaça. Já nos sistemas de T.O, isso pode significar paralisar a produção. De acordo com a empresa, a melhor solução para esse impasse é escolher sistemas de segurança desenhados para o ambiente industrial.

Outro problema sério são os chamados sistemas legados, que não têm mais suporte das fabricantes para atualizações. Esses softwares, muitas vezes, são os que controlam a produção em uma fábrica, e podem gerar conflitos com a segurança cibernética. Em 12% das empresas, os sistemas já são obsoletos e precisam de gerenciamento local dentro das próprias organizações.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: