Mercado abrirá em 1 h 43 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,74
    -0,49 (-0,68%)
     
  • OURO

    1.774,70
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    43.660,29
    +1.538,77 (+3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,38
    +52,90 (+5,08%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.093,39
    +10,02 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.250,00
    +86,50 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1946
    -0,0142 (-0,23%)
     

8 em 10 organizações globais esperam ser alvos de ataques no próximo ano

·2 minuto de leitura

A intensificação das atividades online promete trazer mais agilidade e conforto a pessoas e corporações, mas também representa um maior risco de ser vítima de ataques virtuais. Um estudo conduzido pela Trend Micro Brasil afirma que 8 entre 10 empresas acreditam que devem ser vítimas de pelo menos uma ação perpetuada por cibercriminosos nos próximos 12 meses.

A conclusão foi obtida a partir da análise de risco de mais de 3,6 mil empresas de todos os tamanhos e setores que atuam na América do Norte, Europa, Ásia-Pacífico e América Latina. Em parceria com o Ponemon Institute, a Trend Micro desenvolveu o Índice de Risco Cibernético (CRI), que vai de -10 a 10, com o menor número representando um nível de risco mais alto — segundo as companhias, o índice global atual está em -0,42, representando um risco elevado.

Imagem: Divulgação/Trend Micro
Imagem: Divulgação/Trend Micro

Segundo Jon Clay, vice-presidente de Inteligência de Ameaças da Trend Micro, entre os riscos enfrentados pelas companhias estão problemas operacionais e de infraestrutura até ameaças à proteção de dados e problemas na capacitação de mão de obra. “Para reduzir o risco cibernético, as organizações devem se preparar mais, focando no básico para identificar os dados críticos de maior risco, concentrando-se nas ameaças que mais importam para seus negócios e fornecendo proteção em várias camadas com plataformas conectadas abrangentes”, explicou.

Confira as principais descobertas do relatório:

  • 86% das empresas acreditam que era muito provável serem alvos de um ataque cibernético grave nos próximos 12 meses;

  • 24% delas sofreram mais de sete ataques cibernéticos que se infiltraram em redes e sistemas;

  • 21% tiveram mais de sete violações em seus ativos de informação;

  • 20% sofreram mais de sete violações de dados de clientes no ano passado.

Computação em nuvem é apontada como desafio

Entre os principais riscos de infraestrutura apontados pelas empresas que participaram do estudo está a computação em nuvem, que recebeu a pontuação 6,77 (entre 10 possíveis), considerada elevada. Muitos dos entrevistados apontaram que tem dedicado recursos consideráveis gerados por terceiros que operam usando a tecnologia.

Imagem: Divulgação/Trend Micro
Imagem: Divulgação/Trend Micro

Além da nuvem, os riscos de segurança mais apontados foram os ataques man-in-the-middle (onde um atacante intercepta dados enviados de uma máquina a um servidor), sequestros digitais (ransomware), phishing e engenharia social, malwares sem arquivos e botnets. Eles permanecem os mesmos em relação ao ano passado, e trazem como consequências a perda de propriedades intelectuais e interrupções ou danos à infraestrutura crítica.

Segundo a Trend Micro, entre os principais desafios que devem ser superados estão estruturas corporativas que impedem que líderes de segurança tenham autoridade e recursos para adotar políticas de segurança eficientes. Outra barreira que deve ser enfrentada é a habilitação de tecnologias de proteção que se mostrem eficientes tanto em proteger ativos quanto a infraestrutura de Tecnologia da Informação das quais as empresas dependem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos