Mercado fechará em 3 h 27 min
  • BOVESPA

    111.370,65
    -2.423,63 (-2,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.588,24
    -604,09 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,83
    -0,78 (-1,07%)
     
  • OURO

    1.754,00
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.645,77
    -384,48 (-0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.210,03
    -15,50 (-1,26%)
     
  • S&P500

    4.445,38
    -28,37 (-0,63%)
     
  • DOW JONES

    34.625,73
    -125,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2096
    +0,0248 (+0,40%)
     

8 dicas para melhorar a segurança e a privacidade da sua conta do Facebook

·4 minuto de leitura

Estar online é estar sujeito à ação de golpistas e cibercriminosos. Por isso, é importante estar atento às configurações de privacidade e segurança de redes sociais e outros serviços, como e-mails, apps e demais ferramentas usadas no ambiente online.

Uma das plataformas mais populares da web é o Facebook. Se a conta nessa rede for configurada adequadamente, apenas o usuário do perfil terá acesso a ele e, assim, evitará que indivíduos não autorizados alterem seu conteúdo ou coletem informações pessoais.

Segundo Daniel Barbosa, pesquisador do laboratório da Eset, as opções de privacidade permitem proteger a conta, mas elas só são úteis se a forma de acesso ao perfil for suficientemente segura. “Tanto a privacidade quanto a segurança são importantes, mas a segurança atua sobre a base da conta.”

Acesso seguro

O acesso ao app do Facebook está diretamente relacionado à segurança. Para garantir que ele seja realizado apenas pelo próprio usuário — e evitar que os dados sejam expostos e usados por terceiros —, vale a pena prestar atenção a algumas ações. Acompanhe!

1 – Senha

Imagem: Reprodução/Pixabay/Pete Linforth
Imagem: Reprodução/Pixabay/Pete Linforth

Esse código deve ser robusto. Além disso, é essencial que não seja utilizado em outros serviços. Isso impede que cibercriminosos o identifiquem a partir de ataques de força bruta (aqueles em que o invasor usa tentativa e erro até descobrir a informação que busca).

2 – Autenticação de dois fatores (2FA)

Contas que usam autenticação de dois fatores têm menos chances de ser atacadas — e isso mesmo que a senha seja descoberta. Quando a função é ativada no Facebook, o sistema passa a exigir um código temporário, além de nome de usuário e senha.

3 – Recuperação de acesso

Para garantir que o usuário recupere a conta no Facebook em caso de imprevistos, o Facebook permite incluir até cinco contatos que possam auxiliar no processo de recuperação.

Privacidade garantida

É a partir das configurações de privacidade que o usuário determina como os visitantes verão um perfil. No caso do Facebook, é possível definir quem verá as publicações, as fotos, a lista de contatos, como a conta será encontrada e outros aspectos.

Imagem: Reprodução/Envato/DPimborough
Imagem: Reprodução/Envato/DPimborough

Além disso, é importante revisar e ajustar as configurações periodicamente conforme necessário, já que o Facebook sempre cria novos recursos para proteção. “A educação é a principal fonte de proteção. Estar atento aos riscos ajuda a evitá-los e, assim, desfrutar da internet com mais segurança”, destaca Barbosa.

Veja, a seguir, algumas das principais configurações de privacidade que ajudá-lo a manter sua conta menos exposta. Para alterá-las, vá em Configurações e privacidade > Atalhos de privacidade > Privacidade > Ver mais configurações de privacidade > Sua atividade. Acompanhe!

1 – Quem pode ver suas publicações futuras?

Nessa função, o usuário pode definir quem pode ver as publicações (Público/Amigos/Amigos, exceto…/Amigos específicos/Somente eu). Do ponto de vista dos criminosos, os posts são fontes de informações sobre o usuário para estabelecer seu perfil e tentar enganá-lo. Alterar essas configurações pode ser uma ótima solução.

2 – Quem pode ver as pessoas, páginas e listas que você segue?

Essas informações são consideradas sensíveis, já que mostram preferências do usuário. Ou seja, se um golpista vir que um usuário segue a página de um petshop, por exemplo, pode usar “cachorros” como um tema de possível interesse para atraí-lo e tentar enganá-lo. Pode ser interessante restringir o acesso a Amigos.

3 – Quem pode ver seus stories?

Muitos stories apresentam informação valiosa para os criminosos: por onde o usuário anda, que lugares frequenta, o que gosta de fazer e assim por diante. Além disso, é comum que essas informações sejam exibidas em tempo real. O recomendável é que sejam restritas a Amigos. Vale lembrar que isso é válido se houver de fato amigos nesta lista, não qualquer contato.

Imagem: Divulgação/Facebook
Imagem: Divulgação/Facebook

4 – Quem pode ver sua lista de amigos?

A sugestão é deixar a configuração para “Somente eu”. Assim, evita-se que, em caso de atividade maliciosa, o perfil seja utilizado para obter informações sobre os contatos. Esta configuração é como uma proteção indireta à lista de amigos.

5 – Quem pode procurar você usando o número de telefone fornecido?

Permitir que qualquer um encontre um perfil pelo telefone, especialmente depois de tantas violações de dados com essas informações, é muito atraente para os cibercriminosos. O ideal é escolher a opção "Somente eu". Lembre-se que, se algum contato aceitar qualquer pedido de amizade, por exemplo, a opção "Amigos de amigos" permite que eles vejam seu número de telefone.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos