Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,48
    +1,50 (+1,88%)
     
  • OURO

    1.815,70
    +6,10 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    17.209,35
    +254,32 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,42
    +6,00 (+1,49%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,05 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.808,68
    +30,78 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    11.996,25
    -14,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5015
    +0,0075 (+0,14%)
     

72% dos brasileiros querem trabalhar 4 dias por semana

Pesquisa mostra que brasileiros gostariam de trabalhar menos dias por semana (Getty Image)
Pesquisa mostra que brasileiros gostariam de trabalhar menos dias por semana (Getty Image)
  • 7 a cada 10 brasileiros gostariam de trabalhar quatro dias por semana;

  • Entrevistados dizem que a criatividade está diretamente ligada à produtividade;

  • Modelo híbrido é o que mais agrada aos trabalhadores.

Trabalhar cinco dias e descansar dois. Esse é um dos padrões mais comuns encontrados por funcionários de escritórios de todo o país. No entanto, um movimento tem estudado os benefícios de diminuir os dias de serviço.

A pesquisa “Para além da revolução do híbrido: o paradoxo do trabalho flexível na América Latina” mostrou que 72% dos brasileiros que trabalham em escritórios consideram que seriam mais produtivos se tivessem uma semana de quatro dias úteis em vez de cinco.

De acordo com o levantamento, a maioria dos entrevistados acredita que a criatividade está diretamente ligada à produtividade, e a flexibilidade na jornada de trabalho é o motor para aumentar esse desempenho.

Além disso, 7 a cada pessoas ressaltam que modalidade de trabalho é considerada o segundo fator mais importante na busca por emprego, sendo que o modelo híbrido é um dos mais desejados.

O estudo revela ainda que, na América Latina, 70% dos pesquisados mudaram o modelo de trabalho em decorrência da pandemia. Apenas no Brasil, 68%, sendo que o trabalho 100% presencial caiu de 84% para 10%.

Apesar de ter sido considerado por 81% como o modelo mais atraente, o trabalho híbrido tem os seus percalços. Das dificuldades relatadas, os entrevistados citaram o relacionamento e a visibilidade, intercâmbio de informações e a dificuldade separar a vida profissional e pessoal.

O movimento de diminuir os dias de trabalho já tem sido adotado por países como Reino Unido, Japão, Bélgica, Nova Zelândia e Portugal.