Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.074,02
    -133,94 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.885,89
    -143,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,27
    +1,39 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.860,20
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    39.892,09
    +140,43 (+0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    993,61
    -17,00 (-1,68%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.043,75
    -81,00 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1177
    -0,0138 (-0,23%)
     

72% dos brasileiros fazem compras ou usam créditos via conta telefônica

·2 minuto de leitura

Uma pesquisa realizada pelo Mobile Ecosystem Forum (MEF) revela que a maioria dos consumidores brasileiros não usa os boletos de telefone somente para pagar pelo acesso a ligações e à internet. Segundo o levantamento, 72% dos usuários entrevistados revelaram usar o sistema direct carrier billing (DCB), no qual serviços são adquiridos via cobranças adicionais na conta telefônica ou usando créditos pré-pagos.

Realizada com 6,5 mil consumidores em 10 países, a pesquisa mostra que o Brasil fica em terceiro lugar no ranking percentual de uso desse tipo de pagamento. O país só figura atrás da China (86%) e da Índia (74%), e por aqui os acertos adicionais mais populares são os de assinaturas por serviços de streaming como Spotify e Netflix.

Enquanto em 30% dos casos os serviços já estão inclusos no pacote de assinatura contratado, 19% revelaram que já usaram a conta telefônica para pagar por algum aplicativo. Uma pesquisa publicada em dezembro de 2020 pela Mobile World Live mostra que a maioria das operadoras de serviços móveis está interessada em investir em soluções de DCB, estimuladas pela transformação digital resultante da pandemia da COVID-19.

Mais velocidade, segurança e oportunidades de crescimento

“A atração para os parceiros comerciais das operadoras é clara: maior velocidade e conveniência ao coletar os pagamentos via DCB. As operadoras procuram por novos fluxos de crescimento, com qual metade os classificando como benefício número 1”, afirma o estudo. Para os usuários brasileiros consultados pelo MEF, a rapidez (60%), seguida pela conveniência (40%), foram apontados como os principais benefícios da tecnologia — a segurança e os preços menores foram citados por somente 20% dos entrevistados.

No entanto, ao menos um obstáculo se apresenta para a aceitação do método de pagamento — 24% dos brasileiros relataram já ter lidado com cobranças indevidas em suas contas telefônicas, naquela que é a maior proporção entre os países estudados (a média mundial é de 15%). Dessa forma, operadoras que pretendem crescer usando o DBC precisam assegurar aos consumidores que vão trabalhar com transparência e segurança para conquistar novos clientes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: