Mercado fechará em 6 h 38 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,91
    +0,34 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.778,80
    -5,50 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    56.217,52
    -986,83 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.433,72
    -35,36 (-2,41%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.109,32
    -59,36 (-0,83%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.877,00
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4331
    -0,0137 (-0,21%)
     

70% dos trabalhadores ganham menos hoje do que em 2019

·1 min de leitura
Brazilian theme
Estudo foi realizado pelo economista Daniel Duque, da FGV

(Getty Images)

  • Estudo mostra que 70% dos brasileiros ganham menos hoje do que dois anos atrás

  • Inflação fez com que a situação se agravasse e a desigualdade ficasse maior

  • Enquanto os mais pobres tiveram recuo nos ganhos, os mais ricos receberam até 8% a mais

Um estudo mostrou que 70% dos trabalhadores ganham menos hoje do que em 2019, época anterior à pandemia. Os motivos estariam atrelados à alta de preços, recorde nos últimos tempos, sendo que a inflação maior no último trimestre deste ano fez com que a situação se agravasse.

Os dados foram obtidos pelo economista Daniel Duque, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Para chegar às conclusões, ele usou o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de junho, que estava em 8,35%. Hoje, o número bate 10,25%.

Leia também:

De acordo com as informações divulgadas pela Agência O Globo, o estudo ainda mostra que os brasileiros com melhores condições – e, portanto, no topo da pirâmide social -, conseguiram manter ou elevar a renda nos últimos dois anos. O ganho chega a 8% para os 10% mais ricos. Já para os 30% e 40% mais pobres, o recuo chega a 28%.

“Os mais ricos consomem mais serviços e menos alimentos e acabam tendo uma inflação menor. Infelizmente, a tendência é só piorar com a aceleração da inflação, com grande perda de consumo das camadas mais vulneráveis”, disse o economista.

Duque ainda explica que a redução do valor no auxílio emergencial, que passou, do ano passado para este, de R$ 600 para R$ 375 em alguns casos, contribuiu para a queda no poder de compra.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos