Mercado fechará em 27 mins
  • BOVESPA

    111.127,23
    -2.303,31 (-2,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.622,75
    +58,48 (+0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,36
    -2,51 (-3,18%)
     
  • OURO

    1.940,60
    -4,70 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    23.039,74
    -106,46 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,39
    +279,71 (+115,26%)
     
  • S&P500

    4.060,70
    -15,90 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    33.789,38
    -296,66 (-0,87%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.128,75
    -23,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5470
    +0,0314 (+0,57%)
     

7 recursos que chegarão ao LinkedIn em 2023

O LinkedIn terá sete novos recursos planejados para 2023, em especial mudanças na maneira de buscar por empregos e mais ferramentas de acessibilidade. A rede social do mercado profissional é uma grande aliada de recrutadores e trabalhadores, que conseguem se encontrar mais facilmente pela plataforma.

É claro que outras novidades podem surgir no decorrer do ano, especialmente se houver apelo junto aos usuários. Mesmo assim, tudo que foi listado aqui são anúncios oficiais feitos pelo LinkedIn em sua retrospectiva anual. Confira:

Novos recursos do LinkedIn em 2023

7. Acessibilidade aprimorada nos vídeos

Legendas automáticas do LinkedIn vão otimizar o consumo de conteúdo por pessoas com deficiência ou para quem assiste sem som (Imagem: Reprodução/LinkedIn)
Legendas automáticas do LinkedIn vão otimizar o consumo de conteúdo por pessoas com deficiência ou para quem assiste sem som (Imagem: Reprodução/LinkedIn)

O LinkedIn terá uma importante ferramenta de acessibilidade para o consumo de vídeos na plataforma. As legendas automáticas serão inseridas em todas as mídias enviadas para a plataforma. Na fase inicial, apenas conteúdos em inglês devem ser contemplados, mas é provável que outros idiomas sejam incluídos em breve.

Será possível adicionar as legendas em separado, antes de publicar o vídeo, o que dará mais possibilidades de criação. Em muitos casos, as legendas automatizadas podem ser menos eficientes, já que a ferramenta de conversão de áudio em texto nem sempre acerta. Ao adicionar uma legenda editada, é possível corrigir erros de compreensão ou fornecer mais contexto para algum dado.

A rede social corporativa deve contar também com um modo de alto contraste no aplicativo para celular. Dessa forma, quem possui deficiência visual poderá enxergar alguns conteúdos com mais facilidade do que a tela toda branca ou toda preta tradicionalmente usada.

6. Mais cargos de acessibilidade

Ainda sobre acessibilidade, os profissionais que atuam nessa área poderão exibir seus perfis em cargos padronizados. Em vez de apenas mencionar a atuação, as pessoas poderão definir funções como "designer de acessibilidade" ou "engenheiro da informação sobre acessibilidade".

O objetivo, segundo o LinkedIn, é dar mais visibilidade para que tais profissionais sejam descobertos por recrutadores interessados nessa habilidade. Criar estruturas e conteúdos acessíveis não é tarefa fácil, por isso as pessoas especializadas podem ajudar muito as pequenas, médias e grandes empresas a construir um ambiente mais inclusivo.

5. Usar "texto alternativo" nas campanhas

O Gerenciador de Campanhas do LinkedIn permitirão que os anunciantes adicionem descrições alternativas às imagens em seus anúncios. Usuários cegos ou deficientes visuais podem entender as imagens apresentadas graças a esse recurso.

Além disso, o texto alternativo também pode ajudar o algoritmo da rede social a entender melhor o contexto da campanha. Com uma descrição bem feita, é possível alcançar pessoas com mais precisão, associando texto a fotos ou a artes.

4. Melhoria na pesquisa de empregos

A pesquisa por trabalho no LinkedIn terá mais categorias para atender aos usuários (Imagem: Reprodução/LinkedIn)
A pesquisa por trabalho no LinkedIn terá mais categorias para atender aos usuários (Imagem: Reprodução/LinkedIn)

A busca por empregos já foi reformulada diversas vezes ao longo dos anos, mas deve ser aprimorada em 2023. Mesmo empregadas, muita gente gosta de ver as vagas disponíveis e até procurar por novas perspectivas de carreira em um trabalho melhor remunerado ou mais desafiador.

Segundo a rede social, essa mudança deve favorecer quem procura casualmente por oportunidades de trabalho mais associadas aos seus valores e interesses. A pesquisa permitirá definir filtros como qualificação exigida, progressão profissional e até equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Um pequeno grupo de usuários dos Estados Unidos já está testando a ferramenta renovada, que ainda não tem uma data para chegar para todos. As vagas mais alinhadas ao perfil profissional devem surgir para os chamados "candidatos casuais", aqueles que não buscam ativamente vagas, mas topariam mudar de emprego se surgir uma oportunidade positiva.

3. Atualizações na pesquisa de produtos B2B

O LinkedIn deve fortalecer as chamadas "Páginas de Produtos" voltados para empreendedores que desejam vender para outras empresas. O recurso vai permitir não somente a exibição dos produtos ou serviços em si, mas também a divulgação por meio de especialistas e até a concretização dos negócios por intermédio da rede.

Esse recurso chegou a pouco tempo no serviço, mas já oferece mais de 90 mil soluções Business to Business (B2B). Hoje, é possível localizar alguns produtos por meio da pesquisa do LinkedIn, mas isso ainda precisa ser otimizado. Serão adicionados novos filtros de categoria e feitos pequenos ajustes no algoritmo para dar mais relevância para páginas de produtos.

A ideia é reunir também mais informações que incentivem a decisão da compra, como recomendações de produtos, feedback de usuários e contato direto com os representantes de vendas. Ainda não está claro se a rede social pretende adicionar uma ferramenta de pagamento ou se as transações serão feitas de modo externo.

2. Aprimoramento do agendamento de publicações

Uma das novidades mais aguardadas, e finalmente concretizadas em 2022, foi a chegada dos posts agendados no LinkedIn. O recurso permite definir uma data e uma hora para sua publicação ser automaticamente divulgada rede social.

Essa novidade permitiu não somente melhor planejamento, já que tudo pode ser organizado com antecedência, como também acabou com a necessidade do uso de ferramentas de terceiros, gerando economia para quem atua como social media.

Para o próximo ano, a rede deve otimizar o procedimento atual com um novo ícone e a possibilidade de editar o conteúdo de publicações agendadas. Hoje, se você notar algum erro na publicação, precisa deletar a programação atual e recomeçar todo o procedimento de criação do zero.

1. Análise otimizada de conteúdo

Mais dados devem aparecer para os criadores de conteúdo do LinkedIn (Imagem: Reprodução/LinkedIn)
Mais dados devem aparecer para os criadores de conteúdo do LinkedIn (Imagem: Reprodução/LinkedIn)

O LinkedIn já possui um sistema bem interessante de analytcs para gerenciamento eficaz das páginas e perfis. Mesmo assim, é crucial ter acesso ao máximo de dados possíveis para avaliar a eficácia do seu conteúdo.

A rede social deve atualizar o seu painel analítico para incluir dados mais completos sobre o público e sobre conteúdos de alto desempenho. O objetivo é permitir um exame mais apurado da evolução dos seguidores, entender quais posts engajaram melhor e entender a necessidade dos usuários. Existe também a promessa de dar mais feedbacks automáticos de melhorias para implementar.

O LinkedIn prometeu, ainda, entregar um recurso de exportação de dados eficaz no modo criador. Isso deve facilitar a análise externa e comparativa dos dados, associando-os a outras redes sociais que a empresa ou a personalidade atuam.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: