Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.077,02
    +199,43 (+0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

6G deve ser regulado no Brasil a partir de 2025, afirma Anatel

·1 minuto de leitura

Enquanto a tecnologia 5G ainda está recebendo os primeiros testes no Brasil, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já está pensando no futuro e nas formas de implementar o ainda distante 6G. Na última sexta-feira (18), o conselho diretor da entidade aprovou o novo Plano de Uso do Espectro de Radiofrequências do país, que prevê para 2025 o início dos preparativos para a chegada da nova tecnologia.

O plano coloca a implementação do 6G como uma das metas de médio prazo da agência, que vai aguardar pelas decisões da próxima Conferência de Radiocomunicação da UIT, planejada para 2023, para iniciar seus preparativos. A decisão já destina as frequências ultra altas — acima de 90 GHz — para a nova tecnologia móvel, que deve trazer diversos benefícios.

Entre as aplicações destacadas pela Anatel para a nova tecnologia estão a telemedicina, realidades virtual e aumentada, a mobilidade autônoma e a indústria 4.0; e robótica. Os estudos da agência esperam que os sistemas massivos de múltiplas entradas e saídas (Massive MIMO) continuarão sendo chave para o 6G, tendo como foco a oferta de altas taxas de transmissão de dados e a eficiência espectral.

No entanto, o documento da agência reguladora não específica questões técnicas mais profundadas, apontando que ainda é preciso discutir requisitos de implementação e quais tecnologias vão ser necessárias para atingir esse objetivo. No entanto, ele já indica que características como virtualização, desagregação e arquiteturas de rede centradas no usuário deve fazer parte da nova geração da tecnologia móvel.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos