Mercado abrirá em 9 h 2 min
  • BOVESPA

    121.632,92
    -168,08 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.134,93
    -60,47 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,18
    +0,09 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.803,20
    -5,70 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    40.252,64
    +815,48 (+2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,10
    +16,21 (+1,66%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,55 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.194,54
    -10,15 (-0,04%)
     
  • NIKKEI

    27.832,44
    +104,34 (+0,38%)
     
  • NASDAQ

    15.164,75
    -3,00 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2057
    -0,0025 (-0,04%)
     

68% dos brasileiros dizem que economia só se recupera em 2022, diz Febraban

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mais de dois terços (68%) dos brasileiros acreditam que a economia do país só começará a se recuperar a partir de 2022, apontou o Radar Febraban, feito pela federação brasileira dos bancos junto ao Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas).

Apesar de o número registrar uma melhora em relação ao observado na pesquisa anterior, feita em março (75%), a sinalização ainda é negativa quando comparada a outras categorias: apenas 13% dos entrevistados acreditam que a economia brasileira se recuperará ainda este ano (contra 9% em março).

Outros 12% não acreditam de nenhuma maneira que a economia vai se recuperar (eram 9% três meses atrás).

A pesquisa foi feita entre 18 e 25 de junho deste ano, com 3.000 pessoas, por telefone. Ela considera uma amostra representativa da população adulta brasileira -de 18 anos ou mais- e de todas as cinco regiões do país, com cotas de sexo, idade, localidade e controle de instrução e renda.

Ainda segundo o estudo, o pessimismo quanto a recuperação da economia é pior entre as pessoas de 18 e 24 anos, na qual 71% dos entrevistados acreditam que a economia só se recuperará depois de 2021 e 15% dizem que a economia não se recuperará.

A pesquisa também mostra a percepção dos brasileiros em relação ao desemprego, crédito e renda. Segundo o levantamento, apesar da melhoria da percepção em relação ao observado em março, mais da metade (52%) dos entrevistados ainda acredita que o desemprego vai aumentar no país (o percentual era de 70% em março).

Além disso, 73% apostam no crescimento da inflação e do custo de vida (contra 80%) e 72% afirma acreditar no aumento da taxa de juros (contra 76% em março).

Quanto ao crédito, o maior contingente de pessoas (36%) acredita que haverá um aumento no acesso a esses recursos, enquanto 26% afirmam que esse acesso vai diminuir e outros 33% dizem que ficará igual -em março, esses percentuais eram 30%, 35% e 29%, respectivamente.

A maioria dos entrevistados (48%) também afirma que o poder de compra das pessoas deve diminuir ao longo dos próximos seis meses -contra 64% na pesquisa anterior.

Ainda sobre o futuro, cerca de um terço dos brasileiros (32%) deseja investir seus recursos extras na poupança, ou em outro tipo de investimento bancário (34%). Na amostra anterior, esses percentuais eram de 31% e 27%, respectivamente.

Open Banking A pesquisa feita pela Febraban também apontou uma falta de conhecimento sobre o que é o open banking, em implementação desde fevereiro, pela maior parte da população: 57% dos entrevistados afirmaram não saber o que é o projeto.

Segundo o estudo, depois de informados sobre o conceito de open banking, 45% dos entrevistados expressaram uma opinião positiva sobre o sistema, enquanto 20% consideraram negativo e 28% disseram que não é nem positivo nem negativo.

Segundo a pesquisa da Febraban, 30% afirmaram que com certeza não vão aderir ao sistema, enquanto outros 46% afirmaram que ainda não sabem se vão ou não aderir.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos