Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.371,13
    -154,05 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

65% dos brasileiros estão descontentes com a economia mesmo com Auxílio Brasil

Economia será um ponto de destaque durante a campanha de eleição presidencial deste ano
Economia será um ponto de destaque durante a campanha de eleição presidencial deste ano

(Getty Images)

  • 65% dos brasileiros acreditam que a economia não vai bem

  • Índice se manteve acima dos 60% desde o começo de 2021

  • Implementação do Auxílio Brasil não contribuiu para a popularidade do governo federal

Cerca de 65% dos brasileiros acreditam que a economia não está no caminho certo. É o que mostra a pesquisa do Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas), divulgada nesta quinta-feira (27).

Leia também:

Apesar da implementação do Auxílio Brasil, que poderia servir como fonte de popularidade para o presidente Jair Bolsonaro, o índice de descontentamento segue estável. Desde o começo de 2021, está acima dos 60%. No início do mês, fechou em 66%.

O motivo para o programa não ter melhorado os números está relacionado às dificuldades de pagamento e organização de agendas por parte do governo federal. Além disso, conforme pontuado por especialistas ouvidos pela IstoÉ Dinheiro, os eleitores sabem que o próximo presidente não retirará o benefício conquistado, o que não dá uma vantagem significativa a Bolsonaro.

Economia como motor das eleições

De acordo com o Ipespe, Lula ainda lidera as intenções de voto, levando uma parcela de 44% e com chance de vencer no primeiro turno. Em segundo lugar, aparece Bolsonaro, com 24%. Ciro Gomes e Sergio Moro ficam com 8% e 9%, respectivamente, enquanto João Doria concentra 1%.

De acordo com o analista político Carlos Calado, não será o Auxílio Brasil que conquistará o eleitorado no âmbito da economia, um dos que mais se destacarão devido à insatisfação do povo.

“No meu entendimento, pegar a bandeira do programa social terá pouco apelo. O olhar estará na criação de emprego, na redução da inflação, no aumento da renda”, explicou à IstoÉ Dinheiro. “Sobre isso o eleitor quer ouvir”.