Mercado abrirá em 2 h 35 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,62
    +0,61 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.796,40
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    16.831,29
    +15,60 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,24
    -6,79 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.478,02
    -11,17 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.544,00
    +34,50 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

60 instituições querem oferecer consignado para o Auxílio Brasil, diz ministro

A modalidade do Auxílio Brasil deve estar disponível na primeira quinzena de outubro (Getty Image)
A modalidade do Auxílio Brasil deve estar disponível na primeira quinzena de outubro (Getty Image)
  • Consignado para o Auxilio Brasil foi regulamentado nesta terça-feira

  • Ministro diz que 60 instituições querem oferecer a linha de crédito

  • Alguns grandes bancos disseram que não vão operar com o produto financeiro

Alguns bancos não perdem tempo quando o assunto é desenvolver produtos financeiros que tragam mais lucros. A mira da vez é o consignado para o Auxílio Brasil, que está prestes a ser colocado em prática após polêmicas e discussões.

Cerca de 60 instituições financeiras teriam demonstrado interesse em conceder a linha de crédito, entre elas a Caixa, de acordo ministro da Cidadania, Ronaldo Bento, em entrevista ao programa A Voz do Brasil.

Essas organizações estão em processo de habilitação com os órgãos estatais para poder oferecer o empréstimo, que foi regulamentado na terça-feira (27). O Ministério da Cidadania afirma que a modalidade deve estar disponível na primeira quinzena de outubro, depois do encerramento do processo de elegibilidade dos bancos.

Alvo de resistência e discussões, a portaria agora limita os juros a serem cobrados a 3,5% ao mês e a quantidade de parcelas, a 24 prestações.

Com o empréstimo, será possível comprometer até 40% do benefício de R$ 400 (não dos atuais R$ 600, que só estão garantidos até dezembro). Ou seja, o beneficiário poderá valores com as instituições e pagar com o desconto de até R$ 160 por mês, em um prazo máximo de 2 anos.

O Auxílio Brasil é destinado a pessoas de baixa renda que estão inscritas no Cadastro Único. A medida do governo Jair Bolsonaro foi duramente criticada por colocar as famílias brasileiras em risco de endividamento.

O ministro argumentou que quase 21 milhões de famílias recebem o auxílio e que a Caixa foi uma das instituições financeiras que demonstrou interesse no consignado. É necessário ressaltar que grandes bancos, como o Bradesco, já disseram que não vão oferecer o produto.