Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.418,87
    +234,66 (+1,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

6 linguagens de programação ideais para tarefas específicas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O mundo das linguagens de programação parece, muitas vezes, só contar com alguns códigos específicos que dominam o mercado, como o Java ou o C, por exemplo. A realidade, porém, é que existem incontáveis opções disponíveis, embora que muitas sejam nichadas.

Essas linguagens nichadas, normalmente, foram feitas levando em conta situações e problemas que códigos mais conhecidos apresentam para os programadores, mas mesmo assim acabam não chegando ao mainstream — embora apresentem inovações atraentes.

Para então demonstrar um pouco mais do que essas linguagens de programação mais nichadas podem fazer, além de sair do lugar-comum de citações ao JavaScript, o site InfoWorld preparou uma lista com 6 códigos bem diferentes dos padrões do mercado, e o Canaltech a detalha a seguir. Confira:

Reactive Clojure

Juntando as funções e capacidades da linguagem React com as da Clojure, temos a Reactive Clojure, que é vista como desenvolvedores como uma ótima opção para o desenvolvimento de componentes front-end.

Do React, a linguagem de programação assegura que os programas desenvolvidos com ela terão fluxo de dados eficiente. Já do Clojure, o código herda a possibilidade de criar e atender as mais diversas demandas dos usuários, por mais complexas ou únicas que elas sejam — algo que, para desenvolvedores, é algo bem importante.

Nickel

<em>O Nickel é focado em melhorar as configurações de outros programas. (Imagem: Reprodução/Nickel Lang)</em>
O Nickel é focado em melhorar as configurações de outros programas. (Imagem: Reprodução/Nickel Lang)

Alguns desenvolvedores tem o hábito de utilizar os famosos arquivos de configuração para alterar seus programas, e a Nickel é a oficialização desse método: uma linguagem de programação focada na criação desses documentos.

A Nickel funciona como um template para esse tipo de arquivo, e permite que os usuários alterem livremente parâmetros de configuração como bem entenderem. Além disso, embora ela seja um tanto leniente com a sintaxe utilizada pelo programador, ela incentiva as boas práticas nesse meio para execuções das modificações de forma mais simples e funcional.

Kobra

Aplicações de machine learning são geralmente associadas com processos complexos de criação, e a linguagem de programação Kobra busca mudar esse cenário, apresentando uma sintaxe que, junto de blocos, permite a visualização e um entendimento mais simplificado de aprendizado de máquina.

Bicep

<em>Esquema da <a class="link " href="https://canaltech.com.br/empresa/microsoft/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Microsoft">Microsoft</a> mostrando como o Bicep funciona. (Imagem: Reprodução/Microsoft)</em>
Esquema da Microsoft mostrando como o Bicep funciona. (Imagem: Reprodução/Microsoft)

O Bicep é uma linguagem específica de domínio (DSL), focada no Azure, serviço de nuvem da Microsoft. Ela basicamente serve para definir a infraestrutura que deseja implantar na ferramenta da big tech e, a partir de seus arquivos salvos, pode ser utilizada como um padrão de configuração em diversas instâncias — ajudando a diminuir o tempo gasto na otimização do ambiente de trabalho, por exemplo.

Frink

<em>Exemplo de declaração de variável na Frink. (Imagem: Reprodução/Frink)</em>
Exemplo de declaração de variável na Frink. (Imagem: Reprodução/Frink)

A Frink é uma curiosa linguagem de programação que, em suas declarações de variáveis, além de aceitar o valor delas, também pede que o programador registre indicativos da unidade que ela corresponde, sejam elas peso, tamanho, dinheiro ou energia elétrica.

Isso ocorre por conta do mecanismo principal da linguagem, que além de reduzir problemas com arredondamento de números por algoritmos internos, também permite a fácil conversão de valores para medidas diferentes — colocando a Frink como um grande quebra-galho matemático digital.

WebAssembly

WebAssembly (ou Wasm) é um formato de instrução binária para máquinas virtuais que, quando executado em browsers, que permite, além de JavaScript, que outras linguagens de programação, como C e Rust, sejam executadas neles — permitindo assim que sites utilizem funções de alto desempenho com todo o escopo de softwares que são executados em computadores, não nos navegadores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos