Mercado fechará em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,04
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.885,40
    +8,80 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    22.892,79
    -286,98 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,91
    -10,95 (-2,04%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.847,47
    -54,33 (-0,69%)
     
  • HANG SENG

    21.222,16
    -438,31 (-2,02%)
     
  • NIKKEI

    27.693,65
    +184,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.528,25
    -95,75 (-0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5585
    +0,0200 (+0,36%)
     

60% dos donos de salão de beleza estão endividados

Working during covid-19 or coronavirus concept. A professional hairdresser cutting the hair to a client, reflected in the mirror with copy space.
Setor foi afetado pelos períodos de restrição de funcionamento de serviços (Getty Image)
  • Levantamento realizado em julho mostra que profissionais da beleza acumularam dívidas na pandemia

  • Quase um terço dos empreendedores do setor já considera encerrar o negócio

  • Atendimento a domicilio foi uma alternativa para manter a cartela de clientes

Com as portas fechadas durante o período de isolamento social, os salões de beleza acumularam pilhas de contas atrasadas. De acordo com uma pesquisa da Associação Brasileira se Salões de Beleza, realizada em parceria com o Sebrae, 60% dos proprietários deste tipo de estabelecimento estão endividados e com impostos inadimplentes.

Leia também:

Em função das dificuldades encontradas para permanecer no ramo, 30% afirmaram que já consideram mudar de área ou fechar as portas dos estabelecimentos.

Para manter a cartela de clientes, grande parte dos profissionais da beleza ofereceram atendimento a domicílio. Apesar de ser uma opção viável, a longo prazo traria problemas como gasto com locomoção, transporte de materiais e ausência de equipamentos e estrutura adequada para realização dos serviços.

Para realizar o estudo, o levantamento abordou 200 salões no início de julho. No mesmo mês, a ABSB entrou na justiça de São Paulo para solicitar indenização pelas perdas sofridas durante as restrições de funcionamento.

A entidade aponta que, ao contrário de outros setores, não tinham autorização para funcionar em esquema de delivery e sofreu prejuízos.